27 de fev de 2012

PARTIDA EVANGÉLICA=4ª AULA


AULAS DE EVANGELIZAÇÃO

TRINO TUMUCHY, Mestre Mário Sassi (1983)

4ª AULA

Salve Deus! Agora, mais do que nunca, estou ficando convencido de que a nossa partida evangélica vem se tornando efetiva. Vamos estabelecer uma ponte entre o tempo de Jesus e a nossa vivência atual, e vamos ver que, cada vez mais, vamos nos aproximando da semelhança das situações. Vivemos intensamente as coisas, mas não as avaliamos devidamente! É como as grandes pinturas, às quais só podemos avaliar com profundidade quando as olhamos a uma certa distância. Para fazermos a avaliação do que estamos vivendo, precisamos sair do corpo, para assim podermos perceber como é vivo este Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Já dissemos que, aqui, não aprendemos pelo intelecto, mas, sim, pelo processo intuitivo. Todo nosso trabalho é intuitivo, é a assimilação direta do fenômeno mediúnico. Assim, procuramos fazer uma relação entre o nosso grupo e aquele grupo iniciático que trabalha com Jesus, principalmente os Apóstolos. João, por exemplo, que foi um dos Evangelistas, era, também um pescador, e foi ele quem escreveu o Apocalipse. O Apocalipse, que é uma projeção do futuro, foi um trabalho especial realizado por João. Como um pescador poderia realizar um trabalho de tamanha profundidade? Nós, também, somos pescadores, e estamos realizando o verdadeiro trabalho evangélico, por inspiração direta. Muito recentemente, aprendemos com Tia Neiva que o traçado entre o Tibet e a Palestina tem uma situação muito especial. No Tibet, durante séculos, foram preparados muitos iniciados, que trabalharam em concentração, como verdadeiros espíritos extraterrestres. Não há explicação para tal concentração de intensidade de conhecimentos transcendentais e de construções nas montanhas, nas condições mais adversas. Só se pode assemelhar aos grupos dos Equitumans, que chegaram em naves espaciais, nos Andes. A Palestina continua sendo, até hoje, o centro de onde parte a maior quantidade de informações, de conhecimentos, de concentração de gente e a maior área de conflitos. A Palestina era, justamente, a porta entre a área ocidental e a área oriental. A ela tinham acesso todas as informações do Tibet. Esta era a situação no tempo em que chegou Jesus: uma preparação, que havia se iniciado no Tibet, e a Palestina, área escolhida, que havia recebido a preparação direta. José de Arimatéia era um lhama tibetano. Ele era o mesmo Simão Sirineu, que ajudou a Jesus carregar a cruz, e era, também, um rabino. Portanto, tinha várias personalidades. Foi também ele que conseguiu, com Maria e José, a preparação de Jesus, tendo ele como tutor. Só ele tinha condições para tratar de um espírito tão elevado. Jesus passou por tudo porque a Lei assim determinava. Só não passou pelo casamento, porque não tinha carma. Isso nos dá idéia de que casamento é carma. Uma das determinações do carma é que a pessoa não pode deixar de casar. E é por isso que os sacerdotes católicos não casam, em busca de se assemelharem ao Grande Mestre Jesus. Como se isso fosse possível a um ser humano!... Na verdade, Jesus não veio para se redimir, mas para confirmar a Lei Natural, física, que rege o sistema estabelecido por Deus. Para se entender o espírito do Evangelho é preciso entender o sentido das leis naturais. O mundo de Deus não tem nenhuma segurança, nem nada certo. Ninguém sabe a hora da morte, nada sabemos sobre o dia de amanhã, etc. Todos os fenômenos da natureza, tanto físicos como sociais, são sempre em termos de insegurança, e esta insegurança é que traz, ao espírito, a busca da segurança transcendental. Se não houvessem os estados de insegurança, os conflitos e as guerras, o Evangelho não falaria em armas, como a lança, a espada, etc. Para que possamos encontrar a tranquilidade, é preciso que subamos em busca do vértice do Triângulo, ponto comum e mundo do espírito, ponto de purificação. Só existe tranquilidade da individualidade. Fora disto é impossível porque o organismo físico impede que ocorra. A todo momento estamos vivendo, intensamente, a vida e a morte. A paz só existe na individualidade, no espírito, na sede do transcendental. À medida em que a parte física vai enfraquecendo, o conflito vai diminuindo, vamos caminhando para as soluções cármicas, vamos ao encontro da paz, e nos encontramos livres do fator físico-psíquico, do fator luta e do fator conflito. Assim, é preferível enfrentar as lutas, as dúvidas e os conflitos, do que fugir deles. A maioria dos prejuízos financeiros resulta da tentativa constante de fugir à luta. Daí resulta o mundo que progrediu tanto tecnologicamente, em busca do conforto, que perdeu completamente a realidade de poder chegar à área de paz. A busca de fugir à luta, pelo conforto, é tão intensa, que levou o Homem a se apegar, cada vez mais, ao mundo físico, se fixando na base do Triângulo. No tempo de Jesus aconteceu a mesma coisa. Os homens já tinham ultrapassado todas as faixas de encaminhamento para o ângulo superior do Triângulo, e ficaram anulados em termos de percepção espiritual. O Homem ia se anulando em relação a seu próprio espírito, face à luta natural pela vida. Todo o Evangelho fala que os judeus seriam o bode expiatório do Cristianismo. Na verdade, toda aquela humanidade o era, exceto o Tibet e outras áreas de mosteiros, onde estavam situados os focos crísticos realmente atuantes. Houve uma transferência daquele foco crístico para a área onde estavam concentrados os vários tipos de humanidade, na Palestina. Foi aí o lugar escolhido para a chegada de Jesus. Entre o Tibet e o Oriente Médio havia uma comunicação, apesar da distância imensa. A comunicação era rápida, e José de Arimatéia era o responsável por estas comunicações. Inclusive, Maria e José visitavam Jesus, no Tibet! O povo tibetano atuava sobre as pessoas que estavam com Jesus, da mesma forma que, hoje, entidades atuam sobre nós. Quando trabalhamos e emitimos, nós somos a própria entidade, ela atua sobre nós. É por isso que dizemos: "Eu, Cavaleiro Verde, Cavaleiro Especial..." Naquela hora, quem fala é o próprio Cavaleiro que está incorporado em nós, não fisicamente mas espiritualmente. Então, os lhamas tibetanos, que eram, talvez, descendentes dos Equitumans, vindos, quem sabe, de Capela, prepararam toda a infra-estrutura para a chegada de Jesus. Os lhamas projetavam sobre os Apóstolos e eram eles que falavam através deles. Daí a ligação entre os tempos mais remotos, mais longínquos, e os Grandes Iniciados, que estavam preparados para receber aquele impulso crístico. Aí vemos que Jesus foi parte do Sistema. O Sistema, como um todo, é o Verbo Divino, e sempre existiu em todos os tempos. Do Tibet, aquela força poderosa se projetou na Palestina. Os judeus carregavam com eles a Arca da Aliança, que, para eles, era um instrumento intergalaxial. Para conter a Arca, no Templo de Salomão se fez necessário uma construção especial. O Templo de Salomão era uma construção essencialmente iniciática, tecnicamente construído, assemelhado a uma usina atômica atual. Dentro dele havia o lugar onde somente os santos sacerdotes podiam penetrar, equivalendo aos sacrários da Igreja Católica. Há, portanto, uma série de relações das coisas que são sistemáticas. Todas as técnicas iniciáticas do Templo de Salomão foram levadas do Egito, por Moisés. Moisés se iniciou no Egito e, depois, utilizou seus segredos contra os próprios egípcios, porque lá ele se rebelou, libertando seu povo da escravidão. Na realidade, ele estava se rebelando contra a degeneração dos sacerdotes egípcios. Quem denunciou estes sacerdotes foram os Tumuchy, como vem ocorrendo, atualmente, no Vale do Amanhecer. O Vale é uma forma de denúncia de todos os sacerdócios, de uma maneira indireta, porque nada cobra de ninguém. Falamos alto e em viva voz que nós é que agradecemos a honra de servir ao Mestre Jesus. Então, Moisés, quando percebeu a decadência dos sacerdotes, fugiu, levando com ele os segredos iniciáticos, entregando-os na Terra Prometida. Foi onde nasceu Jesus, já com o terreno preparado para a Sua chegada. Aquela humanidade que se transferiu para a Terra Prometida, ali formou o começo de sua individualidade. Mas os sacerdotes que foram se formando, geração após geração, foram, também, se degenerando, e quando Jesus chegou, estava tudo preparado segundo os planos espirituais, mas os homens permaneciam concentrados na base do Triângulo, presos às coisas da Terra. O Templo de Salomão representou, em princípio, o sacerdócio iniciático - a capacidade de comunicação entre os planos. Um templo iniciático funciona durante um certo tempo. Depois, começa a degeneração, os formalismos, as ambições humanas. Os sacerdotes começam a dominar a situação; estabelece-se uma política e termina com um sacerdócio desorganizado, como é até os dias de hoje. Qual o perigo que corremos em nosso sacerdócio? É, exatamente, o que aconteceu com os outros. Se não nos alertarmos, se não fizermos esta Partida Evangélica, nosso Templo vai caindo dentro da rotina. Para que isto não aconteça, devemos, primeiro, não ficarmos presos somente à organização. Devemos viver os fatos extraordinários que se passam em torno de nós, e procurar entendê-los. São importantes o ritual, o formalismo, o uniforme, mas é muito mais importante a nossa missão simétrica, para a qual trazemos um mundo assimétrico. Portanto, procurem em seus íntimos, porque a riqueza está lá dentro, e não aqui fora. Temos que enriquecer esta Partida Evangélica dentro desta Corrente. Vamos transformá-la numa realidade. Resumindo: o Sistema Crístico já existia antes da chegada de Jesus; existiam pontos focais, onde se concentravam os ensinamentos do Sistema Crístico; houve uma transferência de concentração humana para a Palestina; vieram egípcios e judeus, e, pelo céu, chegavam amacês, com os Grandes Iniciados projetando sobre a comunidade, como acontece, hoje, com os nossos Cavaleiros; então, foi preparado o clima para a chegada de Jesus, que veio confirmar a Lei Crística; Jesus se reúne aos Apóstolos, únicos seguidores, naquela época. Não esqueçam, como grande ensinamento: "A riqueza está dentro de nós, na partícula crística!" Salve Deus!

MÃE IARA



Mãe Yara é um grandioso espírito de Luz que teve importância fundamental desde as primeiras manifestações mediúnicas de Tia Neiva, e é a responsável pelo desenvolvimento dos Doutrinadores. Inicialmente, usava uma roupagem de uma encarnação milenar, na qual havia ficado paralítica. Apresentava-se em uma cadeira de rodas, como uma senhora de porte elegante, muito digna, que logo de início cativou Tia Neiva, inspirando a confiança, de que tanto necessitava, naqueles primeiros anos de compreensão dos fenômenos mediúnicos, que a levariam à descoberta de sua missão. Em seu conflito, Tia Neiva – que ainda não aceitava a "vidência" – passou a interessar-se pela linda senhora, a quem carinhosamente chamava de “Senhora do Espaço”. Estabelecido interesse, Mãe Yara passou a narrar uma das suas encarnações, com o nome de Adelina, passando grandes lições, que muito vieram contribuir em seu desenvolvimento mediúnico. Mais tarde, revelou que era alma gêmea do grande Cacique Tupinambá (Pai Seta Branca) e hoje, sem dúvidas, podemos considerá-la a “Madrinha do Doutrinador”.

“Calma, Neiva! Não se esqueça de que, na vida, quando você está esperando o Céu, a Terra está esperando por você. Sim, filha, antes de você subir ao Céu, terá que baixar na Terra. Não queira que as pessoas pensem como você. Seja imparcial no seu raciocínio e nada aceite sem entender. Não se esqueça de que ninguém possui a verdade total!” (Mãe Yara)

FALANGE MISSIONARIA SAMARITANA




Falange Missionária Samaritanas


A falange das Samaritanas traz a herança do episódio que nos relata o Evangelista João (IV, 4 a 18): “E era preciso que Jesus passasse por Samaria. Veio, pois, a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, perto da terra que Jacó deu a seu filho José. Ora, havia ali um poço, chamado a Fonte de Jacó. Fatigado, pois, do caminho, estava Jesus assim assentado na borda do poço. Era isto quase à hora sexta. Vindo uma mulher de Samaria tirar água, disse-lhe Jesus: Dá-me de beber. A samaritana lhe disse: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber, a mim, que sou mulher samaritana? Pois que os judeus não têm relações com os samaritanos. Respondeu-lhe Jesus: Se conhecesses o dom de Deus, e quem é o que te diz ‘Dá-me de beber’, talvez tu mesma lhe fizesses igual pedido e ele te daria da água viva!. Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que tirá-la, e é fundo o poço. Onde tens, pois, esta água viva? És tu, porventura, maior do que nosso pai Jacó, de quem tivemos este poço, do qual também ele bebeu, e seus filhos, e seus rebanhos? Respondeu Jesus, e disse-lhe: Todo aquele que bebe desta água, tornará a ter sede! Mas aquele que beber da água que eu lhe der, nunca mais terá sede; e a água que eu lhe hei de dar se tornará nele uma fonte de água que correrá para a vida eterna... Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me desta água, para que eu não tenha mais sede, nem venha mais aqui tirá-la! Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido, e volta aqui. Respondeu a mulher e disse: Eu não tenho marido! Jesus lhe respondeu: Bem disseste: ‘Não tenho marido’, porque cinco maridos tiveste, e o que agora tens não é teu marido. Nisto disseste a verdade.” Em reunião com Koatay 108, em 24.8.80, Mãe Yara se manifestou e revelou que as Samaritanas e as Nityamas, no espaço, são as Araganas que limpam os caminhos dos Cavaleiros. Enquanto os Cavaleiros vão penetrando nas cavernas e nos pântanos, com suas redes magnéticas, as Samaritanas se posicionam em determinados lugares. Quando a energia dos Cavaleiros se desgasta muito, elas lhes servem a água viva, restauradora das forças. Mãe Yara contou outra passagem: Quando Jesus estava sendo conduzido pelos soldados romanos, pediu água a um cidadão, que o atendeu. Mas o soldado veio, agrediu o cidadão e entornou a caneca com água no chão. Chegou, então, uma Samaritana, com sua ânfora, e serviu água ao Mestre, que lhe perguntou: Não tens medo do soldado romano? E ela Lhe respondeu: Não, Senhor, porque acreditamos em Ti!... As Samaritanas servem o sal, o perfume e o vinho, nos rituais e nas consagrações, com poucas exceções: no Oráculo e na Estrela de Nerhu, as Dharman Oxinto servem o vinho; e nos Julgamentos e Aramês, as Ciganas Aganaras e Taganas servem o sal e o perfume. A Primeira Samaritana é a Ninfa Lua Vera Lúcia Zelaya, filha de Tia Neiva, sendo Adjunto de Apoio: Adjunto Trino Amuruã, Mestre Décio, e os prefixos são Izurê e Izurê-Ra.




Canto das Samaritanas


Oh Jesus! Este é o Canto da Samaritana que há dois mil anos suspira por Ti! Jesus! Aqui me tens em missão especial, eu e minhas irmãs, com o mesmo espírito daquela Samaritana que um dia serviu a Ti, Grande Mestre na passagem do Teu calvário. Hoje, estou aqui, na minha individualidade levando às Legiões o que mais me for possível e o que tanto precisamos receber...É a luta para uma nova era! Venho de mundos afins em busca de Te servir. Jesus! Que as forças se desloquem em meu favor! Servindo teus Mestres, servirei também a Ti. Oh, meu Jesus! Eles vem do Reino Central confiantes nas palavras que naquela tarde longínqua nos dissestes: “Quem beber da água que Eu lhe der, não mais terá sede, eternamente...”Dissestes, Jesus, e tudo se clareou naquele instante. Hoje, estou aqui, com -0- em Ti, Jesus querido. Salve Deus!


Canto das Samaritanas no Ritual de Turigano (Primeiro Canto)


Oh Jesus! volto nesta bendita hora para agradecer a Deus a feliz oportunidade de minhas irmãs quando naquela era distante te ofereceram a água de sua ânfora te libertando da sede. Hoje, servirei em seu lugar! Quero servir amando, servindo sempre em Teu Santo Nome pelo pão de cada dia. E na força decrescente de minha missão parto com -0- // em Cristo Jesus. Salve Deus!

FALANGE MISSIONARIA ROCHANAS




A Princesa Rochana é uma Missionária da Legião de São Lázaro e suas representantes, na Terra, são as Rochanas, falange missionária que tem suas origens na Grécia Antiga, quando um rei se apaixonou por uma linda súdita e a rainha iniciou uma feroz perseguição a ela, querendo destruí-la de qualquer maneira. Com um grupo de mulheres que estavam também sendo perseguidas, a moça se refugiou em uma ilha pedregosa do mar Egeu, e ali se organizaram, escondendo-se nas grutas e vivendo da caça e pesca, vestidas simplesmente com túnicas brancas e enfeitadas com conchas, sempre preocupadas em se esconder de seus perseguidores, mas levando uma vida simples, livre e saudável. Em 1982, Tia Neiva organizou a Falange Missionária das Rochanas, sendo indicada Munique Soudant, com o seu desencarne, assumiu como Primeira a Ninfa Lua Vera Lucia, atualmente como Adjunto de Apoio o Mestre Jose Cardoso, Adjunto Trino Pramoro. A indumentária tem como predominante a cor vermelha - desobsessão - e o roxo - cura, e, embora com poucas componentes no plano físico, é muito numerosa nos planos espirituais. Koatay 108 disse que seria muito importante a presença de duas Rochanas no ritual da Estrela de Nerhu, a Estrela Sublimação. Seus prefixos são Ferpia e Ferpia-Ra.




Canto das Rochanas:




Oh!, Jesus, esta é a hora feliz da minha vida, que ora sinto despertar em mim todo este amor! Guia-me, Jesus! Sou uma Rochana, e venho de terras distantes em busca de te encontrar! Oh!, Jesus, dai-me forças para que eu possa emitir o meu canto silencioso da cura desobsessiva dos cegos, dos mudos e incompreendidos. Jesus! é a hora da individualidade e me faz, Jesus, sentir a tua grandeza, em Deus Pai Todo Misericordioso, que me deu esta rica oportunidade de reparar meus erros com amor, que um dia errei por não saber amar. Ensina-me, Jesus, a distribuir esta maravilha a todos aqueles que de mim necessitarem. Dai-me, Jesus, o poder de emanar à luz desta doutrina, transformando sempre para o bem, até, Jesus, levá-los a caminho de Deus Pai Todo Poderoso, deixando que as pérolas dos anjos e santos espíritos sejam minha esperança e minha guia. Salve Deus!

FALANGE MISSIONARIAS YURICYS ...




Falange Missionária Yuricy


Quando em Delfos, Pitya escolhia jovens, cujos maridos estavam nas guerras, para auxiliá-la em sua missão. Eram as Yuricys - Flores do Campo, na linguagem indígena , que socorriam famílias desgarradas de suas tribos e os combatentes nas planícies macedônicas e peloponense. Uma delas, a Primeira Yuricy, Indígena do Espaço, enviada de outros planos, era a Mestre da Ordem das Yuricys. Todavia, como não incorporavam nem profetizavam, Pitya recomendou que fossem preparadas as Muruaicys e Jaçanãs, moças fugidas do assalto de tropas mercenárias, que teriam a missão de fazer as profecias no Templo de Apolo. Na atualidade, no Vale do Amanhecer, Tia Neiva formou a Falange de Yuricy, sob a condução do Adjunto Yuricy, Mestre Maria Edelves Couto dos Reis, inicialmente composta somente por Ninfas Sol. Mais tarde, foi formada a falange de Ninfas Lua. Em agosto de 1998, o Adjunto Yuricy solicitou e os Trinos Triada concordaram em dotar a falange de um Adjunto de Apoio, sendo a missão confiada ao Adjunto Aratuso, Mestre Valdeck Caldas Braga. Os prefixos são Eskra, para a Sol, e Eska, para a Lua. Foram consagradas: as Sol, em 1-5-1979, e as Lua em 1-5-1982.


Às 2 horas do dia 29 de setembro de 2005, o Adjunto Yuricy, Mestre Edelves, aos 84 anos, após quase um mês de internação hospitalar, desencarnou, por falência múltipla de seus órgãos vitais, sendo velada no Templo e enterrada, às 18 horas do mesmo dia, em Planaltina, DF. É de se ressaltar que ela vinha fazendo, havia anos, o retiro na 5ª feira, e o dia em que morreu, foi homenageada no Templo, onde permaneceu até as 17 horas, foi uma 5ª feira!


O Adjunto Yuricy foi substituído por uma Regente, Ninfa Iria que foi consagrada, em 30 de abril de 2006, como a 1ª Yuricy Sol.


NINFA SOL EDELVES, O ADJUNTO YURICY


“O Adjunto Yuricy Koatay 108, Mestre Edelves, é, na contagem hierárquica, igual e se posiciona junto aos outros Adjuntos Koatay 108 Arcanos Rama 2.000, nos seus direitos e deveres, pois fizeram o mesmo juramento e têm a mesma lei. A Ninfa Adjuração Mestre Edelves representa o Ministro Yuricy - a força do amor e a ternura. É um Adjunto Maior, que pode e deve agir por si, na individualidade, de acordo com a Lei do Adjunto Koatay 108 Arcanos Rama 2.000. É uma mestre ligada aos grandes desenvolvimentos! Ela não depende da Falange das Yuricys. Estas, sim, é que dependem e devem estar harmonizadas com seu Adjunto Yuricy. Mestre Edelves não terá Sétimos Raios. Ela é um Adjunto Maior e concentra em si todo o potencial de forças, energias e heranças transcendentais de um Adjunto de povo. Ela é o Adjunto e tem todo um acervo de conhecimentos, de conduta e amor. Terá suas Regentes, que deverão estar sempre em sintonia com seu Adjunto. Na ausência de Mestre Edelves, elas representam o Adjunto e, assim, todos os rituais e Sandays serão sempre realizados com precisão e em perfeita ordem e lei. O mesmo acontece com as Ninfas Adjuração Missionárias Yuricys, que serão designadas pelo próprio Adjunto Yuricy, isto no que se refere a rituais e Sandays. As Ninfas Luas Missionárias Yuricys têm por missão especial representar Koatay 108 nos rituais e podem participar das cortes.


Os Príncipes Mayas têm os seus Adjuntos de origem, mas são missionários de Adjunto Yuricy e têm o dever de estarem harmonizados com o Adjunto Yuricy e seguirem suas escalas de trabalho.


Mestre Edelves tem potencial de energia e forças doutrinárias e, com seu amor, tem todo um acervo de dedicação e a capacidade para coordenar e comandar as Falanges Missionárias Yuricys, que lhe foram confiadas por Pai Seta Branca. Além das obrigações e deveres de uma Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000, contidos na Lei, o Adjunto Yuricy tem as seguintes atribuições: Grandes desenvolvimentos; designar mediunidades; responsável pelo Oráculo de Simiromba (deve estar presente nos rituais do Oráculo ou colocar uma sua representante, verificar se tudo está em ordem, estar atenta para que haja a manutenção do ritual nos dias e horários prescritos pela Lei e deixar que o comandante realize o trabalho naturalmente, dando-lhe, se for solicitada, as informações sobre o ritual); estar presente ou estar representada em todos os rituais e Sandays que exigirem Yuricys; fazer a cultura das ninfas missionárias para serem Jandas, que serão preparadas para todos os rituais e evocações.


Por enquanto, estou designando as Ninfas Yuricys Julia Dorneles e Rosa para serem Jandas.


Lembremo-nos sempre que estamos a remover séculos em busca das Raízes que deixamos e abraçamos o que deixaram os nossos antepassados nos altos planos dos céus: eis a única forma de favorecermos a paz em nossos corações. Todos juntos, formamos uma grande força - formamos um Continente! Todos com suas atribuições e deveres, assumimos, por amor, esta singular missão, e é impregnado do mais puro amor incondicional que cada um deve respeitar a individualidade dos outros, uma vez que Lei é Lei, e ela existe para todos. Somos Jaguares do Terceiro Milênio, meus filhos, e o que transmito a vocês eu recebo de Deus, do Pai Seta Branca, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo.


O Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000 tem maiores poderes e de seu plexo saem focos luminosos de luz curadora e desobsessiva. Dependendo de sua mente, de sua sintonia, de sua conduta e do amor, humildade e tolerância, poderá emitir sua Força-Luz por todo este Universo, em Cristo Jesus. Realizará curas e dará paz aos desesperados apenas à sua passagem! Somente o amor e a humildade tornam o Homem iluminado! Este é o verdadeiro Mago do Evangelho, este é o meu verdadeiro filho! Este é o meu Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000! Filha querida, Mestre Edelves, cumpra com amor o teu sacerdócio, a tua missão, em Cristo Jesus! Filha querida, Mestre Edelves, minha intenção era a de fazer uma cartinha, mas eu precisava lhe dizer que eu fiz o Doutrinador. Tantos anos de amor, de dedicação exclusiva e de trabalho constante para ter formado e poder contemplar, com felicidade, o Continente... Sou muito feliz mesmo, e me sinto realizada quando vejo tudo o que tenho e que tudo dei a vocês, com todo o meu amor. Mestre Edelves, eu queria lhe dizer que nosso Pai Seta Branca nunca gostou nem quis que eu doutrinasse ou comandasse.


E você, filha querida, não pode imaginar o que sinto quando te vejo realizando tudo isso em favor e pelo amor de nosso Pai Seta Branca, em Cristo Jesus! Minha ninfa doutrinadora e, mais, Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000: eu quis lhe mostrar o quanto você me torna feliz e realizada. Sou sua Mãe Clarividente e a amo de modo especial.” (Tia Neiva, 8.10.85)


“Filhas: Todas as ninfas terão que entrar em escalas e, para tanto, precisarão passar por um treinamento com a Edelves. Designei minha filha Adjunto Yuricy Edelves bem como aos vossos Adjuntos Missionários Alufã e Adejã para que as conduzam ao desenvolvimento dos novos eventos, das novas atribuições.


Venho de um mundo onde as razões se encontram e não posso mais suportar o desamor que estamos dando à mediunidade. É preciso que a missionária se coloque em seu lugar e, para que isso aconteça, é necessário mais amor, mais tolerância e mais humildade. Minha filha, não há missão específica nem mesmo para as ninfas Aponaras, que são as ninfas dos Adjuntos Maiores. As responsabilidades de todas as falanges são muito sérias, além dos rituais da Iniciação Dharman Oxinto, Elevações, Batizados, Casamentos, etc. Em breve, faremos realizar no Aledá um trabalho onde sete ninfas irão incorporar o Pai Seta Branca, manifestações que irão durar cerca de vinte minutos, em ritual semelhante ao realizado pelos Mestres Ajanãs no Oráculo de Simiromba. Antes, porém, terão que passar por este desenvolvimento com a Edelves e, no final, serão consagradas e receberão uma placa, dada por mim, recebendo, assim, sua graduação.” (Tia Neiva, 11.3.83)


Chamavam-se Yuricy as viúvas ou noivas, ou melhor, as mulheres comprometidas com aqueles soldados mercenários, naquele mundo grego, nas imediações do Oráculo ou Santuário de Apolo. Por ordem de Pytia, a pitonisa de Delfos, cada reino ali mandava celebrar seus cultos e fazer suas oferendas, e algumas delas ficavam ali, preferindo servir a Pytia como um sacerdócio, recebendo, como missão, sua penetração ao lado dos reis para lhes ensinar tudo o que se sabia sobre o Deus Apolo.” (Tia Neiva, s/d)


“Mestre Adjunto Yuricy: Sua Lei é conduzir as ninfas até fazê-las uma Yuricy e distribuí-las para os Adjuntos, formando um canto universal. O Adjunto Yuricy deve estar alerta com todas as Yuricy onde estiverem colocadas, isto é, tomar conhecimento das escalas, saber o Adjunto escalado, se sua Yuricy é capaz de assumir a Yuricy Mestre. Tem, por Lei, que saber, acompanhar e alertar nos cantos, etc. Nas festas, todas deverão juntar-se à sua Mestre, que deverá sempre permanecer em seu posto mais elevado, como se tratasse de uma rainha. Sua corte é igual à do Adjunto. Leva sua morsa para onde quer que se locomova; transporta a pitonisa, se resguardando, sempre, em Dharman Oxinto. Em todos os rituais devem, sempre e por Lei, estarem presentes, porque todos os rituais têm a sua presença. O teu comportamento é a razão do teu Adjunto.” (Tia Neiva, s/d)


“Sobre as responsabilidades do Adjunto Yuricy, na Linha Indiana deste Amanhecer: O que me foi determinado e esclarecido por Tia Neiva, quando Pai Seta Branca me designou para esta missão, isto é, de início, foi escolher sete ninfas Adjuração que tivessem boa dicção e um coeficiente de inteligência apresentável, a fim de prepará-las não só para atender aos seus Adjuntos como para estarem sempre à frente de todos os trabalhos iniciáticos, como sejam: Receber a Escalada, à frente do Adjunto, por ocasião da entrega das forças; fazer os cantos nas aberturas da Unificação, do Turigano, nos Quadrantes e na Cruz do Caminho; conforme a Lei, nas Iniciações de Adjuração, dar assistência às incorporações de Pai Seta Branca nos Templos; no Leito Magnético e demais trabalhos onde se fizer necessária a presença da Yuricy; e, por fim, preparar todas as Adjurações dos seus Adjuntos para servi-los na linha missionária do Adjunto Yuricy.”


(Adjunto Yuricy, s/d)


“Pytia, embora divina, também era humana. Com o tempo e devido ao excesso de profecias, que lhe exigiam jejum de vários dias, Pytia, após cada oráculo, desfalecia e sua recuperação requeria vários dias de repouso. Daí a razão dela escolher jovens, cujos maridos estavam sempre nas guerras, para auxiliá-la em sua missão. Estas jovens - as Yuricys, que quer dizer Flor do Campo na linguagem indígena - percorriam as planícies gregas e macedônicas, socorrendo, sob sua inspiração, os soldados feridos em combate, as famílias desgarradas de suas tribos, etc. Uma delas, a Primeira Yuricy, indígena do Espaço, enviada de outros planos, era a Mestre da Ordem das Yuricys. Como elas não incorporavam nem profetizavam, Pytia, pressentindo a morte física, determinou que elas moldassem as Jaçanãs, que eram moças fugidas das tribos mercenárias, que teriam a missão de fazer as profecias do Templo de Apolo. Aqui estamos, com a mesma missão que recebemos um dia, em outros tempos: auxiliar, compreender e cuidar da nossa Clarividente.


Nossa missão já não é socorrer os soldados feridos fisicamente nos campos de batalha nem as famílias desgarradas, mas, sim, auxiliar, juntamente como os soldados do exército de Pai Seta Branca, a Humanidade, que se encontra perdida e ferida espiritualmente, numa batalha inglória pela posse das coisas materiais.” (Adjunto Yuricy, s/d)


Obs:Tumarã.


Salve Deus!


Canto das Yuricys:


Canto da Yuricy Sol:


Salve Deus! Cavaleiro da Lança Reino Central! Cavaleiro da Lança Vermelha! Cavaleiro da Lança Lilás! Cavaleiro da Lança Rósea! Meus respeitos com ternura, para entrarmos em sintonia. Jesus, esta é a hora precisa de nossas vidas! Venho, neste bendito momento, formar o nosso canto universal, para melhor servirmos nesta era. Quisera, Oh! Jesus, que as pérolas dos anjos e dos santos espíritos se harmonizassem no meu aton. Que as sete Estrelas do Oriente, na Estrela Sublimação, emitam os seus raios no canto da Yuricy, no triste Reino de Delfos. Minha Mãe Clarividente, responda aqui, neste mantra, os poderes de Akinaton, de Araken, dos Ramsés e de Amon-rá, seus eflúvios a brilhar, na sintonia desta força absoluta que vem de Deus Pai Todo Poderoso! Salve Deus!


Canto da abertura das forças pela ninfa Yuricy:


Salve Deus! Oh! Jesus, me consagre e me ionize na luz deste poder absoluto que vem de Deus Todo Poderoso! Venho trazer as duas espadas significativas do trabalho e do amor. Venho trazer, também, todo o magnetismo na projeção dos canais que me compete o poder desta emissão. Eu sou aquela, Jesus, a menor de tuas servas, que te pede e implora a tua misericórdia sobre todo o poder. Vem, Jesus! vem iluminar e imantrar estes filhos com a força absoluta deste poder iniciático! Oh! Divina Estrela do Céu! Oh! Sublimação! Oh! Perfeição! Que as forças se cruzem em contrário... que as forças se movimentem e que tudo, na tua perfeição, aceito e aprovado nas Leis do Auxílio! Unificação! Unificação, Jesus! Que os laços religiosos, doutrinários e filosóficos nesta unificação se entrelacem ao nosso ver... Sou Eu, Jesus, mais uma vez, a menor de tuas servas que emite e condena as forças contrárias, que não seja a força que vem de Deus Todo Poderoso. A tua força, Jesus, é o poder de Simiromba, nosso Pai! São os poderes das Princesas e dos Caboclos; são os poderes dos Nagôs, das Sereias e do Povo de Cachoeira! Pelo teu amor, emito o meu som silencioso, porque ainda sou mago do evangelho e porque ainda presa na força do Jaguar, irei penetrar e caminhar até que as forças se movimentem em benefício de toda a doutrina e de todas as religiões. Sou Eu, Jesus! Venho trazer o canto das Yuricys das matas e das campinas... Unificação! Unificação! Unificação no amor, na tolerância e na humildade do espírito presente, dos mansos de coração. Sinto!... Sinto que o nosso Amanhecer une todas as forças e, neste canto universal, emite os primeiros passos para a Unificação... Oh! Divina Estrela do Céu! Sete forças, sete raios de Araken! Grandeza infinita que se eleva e que, na minha pequena emissão, pretende chegar à altura que te convier... Oh! Senhor de todo o Universo! Neste momento eu peço a divina licença para entregar as forças que acabam de chegar aos Mestres Adjuntos, Trinos desta Consagração. E assim, Oh! Simiromba meu Pai, conceda-nos a graça deste Anodaê, desta Unificação, somente nos encantos do Amanhecer, na força decrescente de Koatay 108, minha Mãe Clarividente! Ouça, Jesus, de todo o meu ser, esta melodia universal que será, por todos os séculos, Jesus, o canto da Yuricy! Em nome do Pai, do Filho e do Espírito, por todos os séculos sem fim, Salve Deus!


No Turigano:


Salve Deus! Oh! Jesus, neste instante piso o solo do Turigano, fazendo presente no Santuário de Delfos o Deus de Apolo, unificado em Deus Pai Todo Poderoso. Deus Apolo! Delfos! Poderes encantados que me envolveram até aqui, para alcançar a nova era. É o pão nosso de cada dia, grandeza infinita deste Amanhecer! Faze com que eu seja o Jaguar medianeiro da conquista universal! Dai-nos, Senhor, o poder da mente e do centro nervoso, que é a misericórdia de te conhecer em Deus Pai Todo Poderoso. Parto com -0-// em Cristo Jesus. Salve Deus!


Pai Nosso da Yuricy:


Salve Deus! Oh! Jesus, Deus é espírito e eu a sua divina imagem! Sou sábia, pois expresso a sabedoria da mente infinita e tenho conhecimento de todas as coisas. Eu sou a vida, a saúde e sou encarnada. Oh! Bom Deus, caminho há centenas de anos para te encontrar! Subi as cordilheiras e desci as Planícies Macedônicas... Enfrentei o verde Peloponeso, atravessei a era Crística, unifiquei as forças, e me fiz amor em Cristo Jesus! Hoje, sou física novamente! Me expresso através do homem Jaguar, que ainda geme e chora pelo pão de cada dia, pelo progresso de nossas vidas materiais, para que possamos servir sem as preocupações de nossos obrigações neste mundo físico, em Deus Pai Todo Poderoso. Salve Deus!


Canto da Yuricy Lua:


Oh! Jesus, este é o meu canto, o canto da Yuricy na força bendita do luar! Lua! Divina força decrescente que imantra a terra, eflúvios luminosos no raiar de uma nova era! Jesus! Vivo a esperança da noite e do dia... Peço que desloquem as forças do céu em meu favor! Quero sentir o homem de minha tribo, o Mestre Jaguar! Sou, também, Ninfa Jaguar. Venho, Jesus, na minha individualidade, pedir os mantras luminosos para a última concentração neste ano de fechamento de uma era milenar. Jesus! Levaremos rosas de amor, enfeitaremos esta jornada, no desejo de um mundo melhor. Estarei sempre com -0-// em ti, Jesus querido. Salve Deus!


Obs.: as Yuricys usam o “primeiro canto” e o “segundo do meu primeiro canto” em algumas ocasiões, mas os citados cantos não são privativos das Yuricys.