23 de mar de 2016

Reclamar ou Fazer?



Reclamar ou Fazer?

O Adjunto Aluxã, Mestre Mário Kioshi, tinha o dom da tranquilidade. Não importava a situação, ele estava sempre disposto a ouvir sem expressar aborrecimento, mesmo face às mais absurdas colocações.

 Recordo de uma reunião em um Templo (não citarei qual) em que muitos médiuns queriam mudanças. Clamavam por uma atuação mais intensa do corpo mediúnico, reclamavam uns dos outros, sempre desejando que houvesse mais comprometimento dos irmãos.

 Então marcou uma reunião afirmando que daria oportunidade a todos se manifestarem.

 Neste dia o templo estava cheio! Parecia que até mesmo aqueles que só apareciam no Templo “quando o calo aperta”, estavam presentes. Fez longos instantes de concentração, uma bela prece e abriu a reunião.

 Primeiramente falou da Doutrina. Do quanto era agradecido pelos trabalhos espirituais e que jamais desanimava, pois compreendia que não era Pai Seta Branca que precisava dele, e sim ele que precisava da Doutrina.

 Depois abriu espaço para que todos se manifestassem. Um dos comandantes mais antigos começou a reclamar da falta de compromisso com a manutenção do Templo. Mário não interferiu... Deixou que falasse tudo que queria. Quando terminou, ele perguntou:

 - Mas o que você considera importante agora?

- Mestre, o templo está sempre sujo. Dá até vergonha dos pacientes em alguns dias. Todos chegam para trabalhar, mas cadê que vêm limpar?

- Está certo, meu irmão, então você pode começar a assumir a limpeza e ir formando um grupo para manter? Passo a você esta missão!

- Salve Deus! Mestre!!! Eu não posso! - respondeu o Mestre e em seguida apresentando uma porção de justificativas.

 Outro então se manifestou:

- Adjunto. O senhor já viu como está o Pajé? Nunca foi terminado! As telhas velhas doadas já estão caindo em tempo de machucar alguém. Precisamos urgentemente terminar esta obra.

 Com sua tranquilidade inabalável, Mário respondeu:

- Está bem meu irmão. Então entrego em suas mãos esta missão! Pode começar a reforma, eu mesmo faço a primeira doação.

- Salve Deus! Eu??? Não dá Mestre! – E também apresentou uma série de desculpas esfarrapadas.

 Outro mais ainda se manifestou:

- Mestre Mário, ninguém contribui para manter o pátio limpo também.

 Novamente aconteceu o mesmo. Mário concordando e entregando a missão e a pessoa “dona da grande idéia” pulando fora na hora de assumir.

 E foi assim até que todos que desejavam se manifestaram.

 Meus irmãos e irmãs, Salve Deus! Não basta observar os defeitos, as falhas, as necessidades. É preciso ter coragem de enfrentar e fazer!

 Basta de reclamar! Reclamar do seu irmão é muito fácil. Difícil é fazer o que se precisa! Vejo em nossa Doutrina muitos “reclamadores”, cheios de idéias e até boas intenções... Mas os “fazedores” são poucos!

 Se você observa uma necessidade em seu Templo, não fale! Vá e faça! Aprendi esta lição com o grande Adjunto Aluxã. Ele era Dentista, reconhecido, um dos Adjuntos de Raiz consagrados por Tia Neiva, mas nunca se furtou a ele mesmo empunhar o carrinho de mão e carregar concreto para as obras quando era necessário. Fosse no Templo que fosse!


By Mestre Casagrande, Exilio do Jaguar.

IMPORTANTE SABER




 O Mestre Nestor Sabatovicz foi Consagrado 
como 1º Mestre Jaguar e Executivo da Doutrina. Após 
o desencarne de Tia Neiva tornou-se responsável pela 
disciplina e o correto funcionamento de nossos Trabalhos. 
Desencarnou em 02 de Outubro de 2004.

Mestre José Carlos do Nascimento Silva foi consagrado 
como Regente dos Presidentes Triada, podendo representar 
qualquer um deles em consagrações e trabalhos que exigem 
a presença de um Trino Triada. 
Tumarã é um Raio, porém em outras graduações, pertencente 
aos Equitumans. Raio Sol Tumuchy é o mesmo que Tumarã, 
que é o Reino dos Tumuchys. É, também, uma Legião que 
existe na linha intelectual, onde estão se comprometendo 
as grandes conquistas científi cas. É um poder absoluto de 
amplo desenvolvimento. 
Tem grandes difi culdades para seu povo, em razão da pouca 
receptividade na Terra. Com Koatay 108, na projeção de sua 
força não existe meio termo.

O Mestre Michael Hanna foi Consagrado 
para representar as forças ligadas aos Grandes Curadores 
e as Organizações Desobsessivas. “Sumanã” não é um 
Ministro, é um Raio dos Grandes Iniciados Curadores.

O Mestre Gilberto Chaves Zelaya foi Consagrado 
como “Primeiro Doutrinador do Amanhecer” (sendo o 
primeiro fi lho de Tia Neiva e ela a mãe do Doutrinador, 
naturalmente ele é o Primeiro Doutrinador). É o responsável 
pela Coordenação dos Templos Externos.

O Mestre Mario Sassi foi Consagrado 
em 1978. Desencarnou em 25 de Dezembro de 1995. Foi 
o grande intérprete de nossa Doutrina. Escreveu diversos 
livros e livretos, aos quais é interessante que todo Centurião 
tenha conhecimento. Foi também responsável por todo o 
Acervo de Koatay 108.


O QUE SIGNIFICA O "SALVE DEUS"

1. Cumprimento ou saudação respeitosa, ensinado por Pai Seta Branca e Mãe Yara em 1958. Na Índia corresponde ao Namastê: "o Deus que está em mim saúda o Deus que está em você!". Na Doutrina do Amanhecer um "Salve Deus!" permite com que as entidades e os médiuns transmitam o amor de Deus. Trata-se, ainda, de um pedido de licença para entrar ou sair de um local ou de um trabalho espiritual. Tem a intenção de expressar o sagrado que existe dentro de cada ser.

Tia Neiva afirmava que um "Salve Deus" é capaz de desintegrar uma força esparsa ou uma corrente negativa.

(trecho extraído do livro: "Os símbolos na Doutrina do Vale do Amanhecer, de Carmem Lúcia Zelaya)

2." Salve Deus" é uma chave que atua como saudação, como proteção e como pedido de ajuda à espiritualidade.

Entre irmão da Corrente significa: "Que o melhor de tudo esteja contigo!", fazendo com que haja uma desintegração de cargas negativas e protegendo quem a emite de qualquer projeção de forças prejudiciais. 

Quando emitida em uma reunião ou durante uma palestra, concentra a atenção e proporciona harmonização da energia mental dos presentes, desintegrando as bolsas de energia esparsa, porventura em formação.

Quando emitida em um momento difícil ou de perigo, como na ocorrência de um acidente, atua como pedido de ajuda, um chamado de emergência para nossos mentores.

Por essa atuação efetiva e instantânea é que, comumente, logo em seguida agradecemos com a emissão de: "Graças a Deus!", na certeza de que obtivemos a necessária ação da chave.

(trecho extraído do manual "Observações Tumarã", de autoria do Trino Tumarã, Zé Carlos)

SALVE DEUS!