8 de out de 2012

COBRADORES ESPIRITUAIS




Quem são nossos cobradores?

"Não hesites em fazer as pazes com teu adversário, enquanto estiveres em caminho com ele, para que não, te vá entregar ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial de justiça,e  sejas lançado no cárcere. Em verdade, te digo que daí não sairás, enquanto não houveres pago o último vintém". ( Mateus, 5.21-26)
Mãe Yara, a Mentora dos Doutrinadores dos Templos do Amanhecer, nos ensinam que até mesmo uma mistificação pode ser transformada em fato positivo e aproveitável. Nós podemos completar essa lição afirmando, sem medo de errar, que tudo depende de nossa criatividade, de nossa capacidade em tratar a situações de nossa vida iluminados pelo nosso espírito e sabendo utilizar as energias que ele coloca à nossa disposição."
"Cobrador" é a palavra mais usada e abusada nos meios mediúnicos. Qualquer situação de atrito que se apresente, em que alguém faça algo que nos desagrade, nós temos a tendência de logo julgar que se trate de um cobrador espiritual. Essa generalização é realmente perigosa e pode nos deixar desprevenidos para quando nos encontrarmos om nossos reais cobradores.
Na verdade, "cobrador" é somente aquele espírito a quem nós causamos algum prejuízo deliberadamente e segundo juízo desse mesmo espírito. Por este motivo é que em todas as práticas nos Templos do Amanhecer a gente se refere "àqueles que se dizem nossos inimigos", e não "àqueles que são nossos inimigos".
No emaranhado das relações entre os espíritos na Terra, na luta pela vida, na agressividade compulsória a que o sistema da Terra nos obriga, é difícil, senão impossível, saber-se quando estamos fazendo um inimigo, amenos que a gente tenha plena consciência espiritual de nossos atos. A simples consciência anímica ou física , ou seja a violação do jogo dos princípios, costumes e normas vigentes no meio em que vivemos, só irá se constituir em cobrança se o ofendido assim considerar.
Mesmo assim é muito difícil de se conceituar os atos nos quais nós realmente encontramos ou fazemos um cobrador. Aliás, não são os atos que caracterizam a cobrança mas sim o tipo de reação que se passa entre as pessoas quando se encontram. A maioria dos atritos são dissolvidos pelo próprio sistema humano de ação e reação, sem deixar maiores problemas.
Depois dessa ligeira análise e, como base na experiência quotidiana no atendimento no Vale do Amanhecer, chega-se à conclusão que "cobrador" mesmo é o espírito que vem ao nosso encontro pela "benção de Deus", como costuma se expressar a nossa Clarividente, isto é, aquele que está programado para essa encarnação, cujo enredo estamos vivendo, porque assim queremos conscientemente antes de chegarmos à Deus.
Há ainda que distinguir quando o cobrador é encarnado ou não. Se for desencarnado ele poderá ser um elítrio, obsessor ou alguma outra das várias condições que nossas antigas vítimas se apresentam para nos cobrar." 
(Mário Sassi- trino Tumuchy- Instruções práticas: sob os olhos da Clarividente).
Meus irmãos em Cristo, existem muitos relatos de cobrança espiritual, com maior ou menor intensidade, com maior ou menor ferocidade. Vamos nos ater a dois relatos, muito interessante e que servirão para ilustrar o assunto.
O primeiro nos ´relatado pelo Trino Araken, Mestre Nestor, que conta que certa vez desejando construir um casa contratou um arquiteto. Logo nos primeiros dias, aconteceu um problema com a obra e Mestre Nestor, aborrecido não mais queria o trabalho do empreiteiro e, no calor da discussão disse que o mesmo era um "picareta" e que buscasse seus direitos na justiça. Tempos depois, o empreiteiro desencarnou em uma acidente de trânsito, juntamente com a esposa.
Certo dia, Mestre Nestor foi chamado em um Trono e tão loso sentou-se o espírito ali encarnado disse-lhe: " Eu não sou um picareta!". O Mestre soube que vários problemas que ocorria na obra era por interferência daquele espírito que não perdoou a ofensa à sua honra  ao seu nome profissional.
O segundo relato é bastante conhecido nos meios espírita e se refere ao afamado palestrante Kardecista Divaldo Pereira Franco. Divaldo é fundador da "Mansão do caminho", onde abriga mais de 500 crianças, além de doentes e necessitados há mais de 50 anos. É indiscutível a prática da caridade por esse irmão, que se compadece do sofrimento alheio e pensamos que deve ser um ser totalmente destituído de cobradores. Mas, isto é um equívoco. Divaldo, que possui a mediunidade da vidência, via-se seguido anos a fio por um espírito que não lhe mostrava o rosto, pois usava uma máscara. Durante cerca de 20 anos viu-se perseguido por aquele espírito. Porém, certa noite ao chegar à "Mansão" e tendo se recolhido para dormir foi acordado por um auxiliar que havia encontrado um bebê- uma menina- no portão da "Mansão" e o auxiliar disse a Divaldo que não tinham como ficar com aquela criança, pois não havia lugar nem meios financeiros para acolher mais um menor abandonado. Divaldo, porém, não cedeu aos argumentos do auxiliar e tomando a criança nos braços abraçou-a carinhosamente. Neste momento, o cobrador que estava ao lado deixou cair lágrimas dos olhos e disse a Divaldo que por 20 anos o havia obsediado, mas, que dali e diante o deixaria em paz, pois aquela criança que ele tão amorosamente acolhia havia sido sua mãe numa encarnação passada!
Eu também já recebi o recado de um cobrador que gritou em alto e bom som dentro do Templo que " palavras bonitas não o comovem, quer ver é mudança de comportamento".
Por isto,  amados irmãos em Seta Branca, o que fizemos, está feito. O que pode significar o perdão de um cobrador é a nossa mudança de comportamento. A certeza de que nós, buscamos agora trilhar novos caminhos... caminhos do Amor, da Tolerância e da Humildade. Salve Deus.

OBSSEÇÃO INFANTIL



Extraído da revista "Espiritismo- Filosofia - Ciência- Religião", ano 05- 12, 2011. O texto é de autoria de JM Ferreira, p. 41:


A obsessão infantil é um fato real e as casa espíritas devem estar atentas pra atender a esses casos om responsabilidade, sem levar maiores prejuízos para a criança, para seu familiares e até mesmo para seus algozes. O estudo da Doutrina Espírita mostra que com muito amor, capacidade d perdoar e com bom esclarecimento, a criança e seus perseguidores podem resgatar suas diferenças com o apoio da equipe d desobesessão da casa que frequenta. 
Quando olhamos para uma criança, não significa que aquele espírito que anima o corpo infantil também seja uma criança. A alma que habita aquele corpo poderá até ser mais velho e muito mais vivido do que a dos próprios pais e avós. Assim ensinaram os espíritos a Kardec nas obras da Codificação da Doutrina Espírita. Na jornada da vida, diante as nossas responsabilidades, não somos vistos como crianças, e sim como aprendizes. E na posição de aprendizes cometemos erros, falhas e delitos, para os quias um dia somos chamados a resgatar.Resgato que é feito através da reencarnação, porém, podemos ser cobrados por outros espíritos de forma dmais direta, através da cobrança e da obesessão.

Tratamento
É muito sofrido para os pais perceberem que seus filhos sofrem perseguições espirituais muitas vezes de espíritos que foram prejudicados por eles em vidas passadas. Existem vários meios de tratar essa situação começando começando com a observação dos comportamentos os pais e familiares. Não adianta tentar resolver um problema tendo outro talvez inda maior dentro de casa. A harmonia o lar é um fator muito importante para que o tratamento seja eficaz. Faça o uso constante das preces com o culto do evangelho no lar e, principalmente, deixe que as crianças estejam presentes do jeitinho dela e sem repreensões, para que ela possa vivenciar o culto em família.Não pense que ela não está entendendo o processo do culto, de tudo que está sendo lido  discutido, boa parte ficará gravado em seu subconsciente e no dia e hora certos ira desabrochar faz uma grande diferença.

A importância do bom exemplo.

O dever dos pais é educar e preparar seus filhos para o mundo, de acordo com os preceitos divinos facilitando sua caminhada. "As imperfeições morais do obsediado constituem constantemente, um obstáculo à sua libertação"-(Allan Kardec- Livro dos Médiuns" tentar ensinar o certo falando certo, porém, praticando errado, não vai funcionar. Falar com seu filho que fumar faz mal pra a saúde, mas acender um cigarro atrás do outro não é uma boa maneira de educá-lo, pois você está se contradizendo o tempo todo. E a famosa frase "Faça o que falo, mas não faça o que faço!", também não vai funcionar. O  tratamento da criança obsediada dependerá da disciplina não só dos pais, de toda a família. Assim, é importante para a criança participar da evangelização em família, fazer parte da evangelização infantil " todos os centros espíritas tem este trabalho", recebendo os passes já receitados ...."

Nossas considerações
Assim, é preciso ter muito cuidado com as crianças quando elas apresentam sintomas de obsesão. O ambiente de harmonia e fé, as preces em família, a frequência ao pequeno pajé, como é o caso da nossa doutrina e a conversa, o acolhimento... Devemos ainda ter consciência que a obsessão nas crianças ´mais difícil pois elas não sabem expor o que lhes acontece e o próprio obsessor pode levá-las a acreditar que tudo é culpa delas. Não raro vemos casos de suicídio infantil, depressões, isolamentos, mudança bruscas de comportamento e aversões sem motivos a lugares, objetos e pessoas, podem ser fortes indícios da obsessão nas crianças.
Com fé, carinho e  cuidado é possível passar por esta traumática experiência com mais serenidade.
Salve Deus.