6 de mar de 2012

ORACULO DE SIMIROMBA








ORÁCULO DE SIMIROMBA


Oráculo é um tipo de Cabala presidido por um Espírito Superior, um ponto emissor de forças, projetadas por seus raios ou raízes, na medida da necessidade dos trabalhos e de acordo com a capacidade do médium que as vai manipular.


Os Oráculos são organizações de um mundo assimétrico, formas de vidas, onde muitas coisas acontecem: manipulações de forças da Natureza, destinos de pessoas, transferências de espíritos e muitos outros fatos. Na antiguidade, os assuntos levados aos deuses, para serem respondidos pelas pitonisas e sacerdotes, eram de várias naturezas, desde questões familiares, assuntos políticos, guerras e criação de colônias, até os de ordem sentimental dos grandes reis e políticos. Os que atravessaram os tempos com a fama que alcançaram foram o de Delfos, que, junto com os de Dídima e Claros, estavam sob as forças de Apolo; o de Zeus, em Dodona; o de Asclépios, em Epidauro; o de Trofônio, em Lebadéia; o de Ammon, na Líbia; e o da Fortuna Primigénia, em Prenestre, estes dois últimos fora da ação helênica.


São muitos os Oráculos nos Planos Espirituais, agindo por todo este Universo.


Sobre a Terra, três são os Oráculos que agem: o de Simiromba (ou Ariano), o de Olorum e o de Obatalá. Há, ainda, o Oráculo de Agamor (*), que manipula as energias emitidas por aqueles três Oráculos. A reunião desses três Oráculos forma o Reino Central. Cada raio de um Oráculo é um poder do qual dispõe o mestre ou a ninfa, segundo seu padrão vibratório, sua harmonia, seu desenvolvimento e conduta doutrinária.


Cada raio tem sua especialidade, e não existe maior ou melhor raio. Existe, apenas, a soma dessas forças, desses raios. Nunca se sabe de quantos raios dispõe um médium, pois isso vai depender de muitos fatores individuais, principalmente de suas consagrações, de sua evolução, de sua conduta doutrinária, de seu padrão vibratório.


Passando em cada consagração um médium acrescenta, se tiver merecimento, pelo menos um raio em sua bagagem.


No Templo, temos o Castelo do Oráculo, onde, de acordo com sua Lei específica, se realiza a incorporação de Pai Seta Branca. Ali se processa a energia plena, projetada pelo Oráculo de Simiromba, para ser manipulada em benefício dos trabalhos, dos médiuns e dos pacientes. Embora fique deserto fora das horas do trabalho, o Oráculo fica permanentemente energizado, razão pela qual, ao passar diante de seu portão, deve o mestre ou a ninfa parar, abrir o plexo e captar, por uns instantes, aquela força que Pai Seta Branca deixa à sua disposição.


Com a entrada em ação das forças da Estrela de Nerhu, passamos a ter a projeção do Oráculo de Agamor.


HORÁRIO


· Os dias de funcionamento deste ritual são: QUARTAS, SÁBADOS e DOMINGOS, podendo, excepcionalmente, ser aberto em um dia de Retiro.


· Oráculo será aberto a partir das 18h e, no mais tardar, até às 19h. Deverá ser encerrado até a meia-noite


· Se por ventura não foi possível a abertura do Oráculo dentro do horário estabelecido, o Comandante poderá abrir o portão, fazer a sua Emissão e ficar de honra e guarda (com o Portão aberto) até ser possível a abertura do Ritual.


FORMAÇÃO:


· Este trabalho só poderá ser realizado em Templos que disponham de Corrente Mestra.


· O comando do Oráculo será exercido por Mestres Adjuntos.


· A corte compor-se-á dos seguintes mestres:


2 Ninfas Samaritanas;


1 Ninfa Yuricy Sol;


2 Ninfas Muruaicys;


2 Ninfas Dharman Oxinto;


2 Ninfas Franciscanas;


1 Comandante e sua ninfa;


No mínimo 2 Mestres Ajanãs com suas ninfas;


Podendo participar outras ninfas que não pertençam a falanges missionárias.


· Obs.: O Mestre Comandante, as ninfas missionárias e os Mestres Ajanãs deverão ser escalados.


· As ninfas das falanges missionárias (com indumentárias) devem se posicionar na corte, na ordem comum aos demais rituais.


RITUAL:


· A corte sairá do Castelo do Silêncio, entrando na parte evangélica, passando pelo Aledá, depois pelo Pai Seta Branca, até a entrada do Oráculo.


· De frente ao Oráculo, as duas Ninfas Muruaicys abrem o portão. Uma permanece do lado de fora enquanto a outra caminha para o seu interior, posicionando-se à direita do Oráculo, e faz a sua emissão e depois o seguinte Canto:


· SALVE DEUS! EU MISSIONÁRIA MURUAICY, VENHO NESTA BENDITA HORA PEDIR A DEVIDA PERMISSÃO AO GRANDIOSO SIMIROMBA DE DEUS, O NOSSO PAI SETA BRANCA, PARA A ABERTURA DO ORÁCULO, SALVE DEUS!


· Obs.: Sempre, ao entrar e sair do Oráculo, deve-se emitir:


A MINHA MISSÃO É O MEU SACERDÓCIO. JESUS ESTÁ COMIGO.


· Logo após entram o Comandante e sua ninfa, as Ninfas Samaritanas, a Ninfa Yuricy e os Mestres Ajanãs, acompanhados de suas ninfas.


· Após estes mestres, entram as demais ninfas e mestres que estiverem compondo a corte.


· As Ninfas Muruaicys fecham e abrem o portão quando houver necessidade. Não havendo ninfas Muruaicys, o portão será controlado por uma Ninfa Sol.


· Assim que os mestres se encontrem dentro do Oráculo, as Samaritanas servem-se do vinho, e, em seguida, servem às Muruaicys (que devem subir acompanhadas do Mestre Comandante).


· Comandante faz a sua emissão, toma o vinho e retorna, juntamente com as ninfas, ao seu posto.


· Se houver mais algum Mestre Sol ou ninfas pertencentes a outras falanges missionárias, presentes na corte e que não irão participar do ritual (e que permanecerão no Oráculo), deverão, também, ser servidos do vinho.


· Em seguida uma Ninfa Sol Yuricy e uma Samaritana sobem a rampa e, voltando-se para o portão, fazem uma reverência e novamente frente à cabine, simultaneamente abrem o véu, observando se tudo está em ordem.


· Em seguida ficam novamente voltadas para o portão e emitem seus cantos, primeiro a Samaritana, em seguida a Ninfa Sol Yuricy.


· Terminados os cantos, a Samaritana serve o vinho à Yuricy pedindo à outra Samaritana, que conduza o Comandante e a Ninfa Sol até a sua presença para fazer a cultura da Ninfa Sol que acompanha o Mestre Ajanã.


· O Comandante sobe a rampa conduzido pela Samaritana, ao lado da Ninfa Sol e, de frente para a cabine, a Ninfa Sol toma seu vinho e faz sua emissão. Terminado, o Comandante e a Ninfa Sol descem.


· Em seguida a Ninfa Sol, juntamente com o Mestre Ajanã, sobe a rampa e a Samaritana serve o vinho ao Ajanã, que é encaminhado para o interior da cabine, enquanto o Comandante conduz a Ninfa Sol para o fundo da mesma e abre a porta para que ela entre e faça o convite da presença do Pai Seta Branca.


· Ao elevar a taça para tomar o vinho emite-se:


Ó, JESUS! ESTE É O TEU SANGUE, QUE JAMAIS DEIXARÁ DE CORRER EM TODO O MEU SER. NINGUÉM JAMAIS PODERÁ CONTAMINAR-SE POR MIM.


· Tempo de incorporação de cada Ajanã é de aproximadamente 30 minutos. Em casos excepcionais, poderá haver comunicação com a doutrinadora para proporcionar uma mensagem ou informar, se necessário, a desincorporação antes da hora marcada.


· Terminado o tempo de incorporação, o Comandante pede que a uma ninfa (exceto a Samaritana), que o acompanhe até a cabine e, de frente, ambos emitem:


A MINHA MISSÃO É O MEU SACERDÓCIO. JESUS ESTÁ COMIGO.


· Comandante se dirige ao Pai Seta Branca e em voz baixa diz:


MEU PAI, ESTÁ NA HORA DE DESINCORPORAR O APARELHO. O SENHOR ESTÁ DE ACORDO ?


· Desincorporado, o Mestre Ajanã se levanta, fazendo a seguinte prece:


Ó, JESUS! GRAÇAS A TI, JESUS QUERIDO,


ME FOI DADA ESTA FELIZ OPORTUNIDADE DE RECEBER, EM TODO O MEU SER, ESTA DIVINA LUZ


QUE FOI MEU PAI SETA BRANCA,O SIMIROMBA DE DEUS.


Ó, JESUS! ME FAZ INSTRUMENTO DE TUA PAZ!


QUE AS FORÇAS SE DESLOQUEM EM FAVOR E PARA QUE EU POSSA PARTIR SEM RECEIO


ILUMINA MEUS OLHOS. MINHA BOCA E MEUS OUVIDOS,


COM -0-0-X// EM TEU SANTO NOME, A TI JESUS QUERIDO!


SALVE DEUS!


· Em seguida o Comandante vai buscar a Ninfa Sol no fundo da cabine. Esta, ao receber o Mestre Ajanã, acompanha-o até a Ânfora, para que a Samaritana o sirva da água


ENCERRAMENTO:


· Recomenda-se ao Mestre Comandante que encerre o ritual antes da meia-noite.


· Comandante se dirige à frente da Cabine, e entre as Ninfas Samaritana e Yuricy, volta-se para o portão e faz o seguinte canto:


JESUS! ESTAMOS REUNIDOS EM TEU SANTO NOME BENDIZENDO


OS MOMENTOS FELIZES QUE AQUI TIVEMOS, NA LUMINOSA HARMONIA DO SIMIROMBA DE DEUS,


MEU PAI SETA BRANCA, NOS DANDO A MAIS PERFEITA LUZ.


JESUS! QUE TODO ESTE ACERVO DE ENERGIA, SEJA LEVADO AOS MUNDOS ENCANTADOS,


NA CURA DESOBSESSIVA DO CAVALEIRO DA LANÇA VERMELHA,


DA CURA DOS CEGOS, DOS MUDOS E DOS INCOMPREENDIDOS.


E, COM -0-0-X// EM TI JESUS QUERIDO, SALVE DEUS!


· Com a emissão do canto de encerramento pelo Comandante, todos os mestres retiram-se do Oráculo e o trabalho está encerrado.


PRISIONEIROS:


· Com exceção dos Ajanãs que irão incorporar o Pai Seta Branca, todos os demais poderão participar na roupagem de prisioneiros.


OBSERVAÇÕES:


· Para cada trabalho, serão escalados 2 Mestres Ajanãs que irão se revezando nas incorporações, contudo outros Ajanãs que se apresentem depois também poderão participar deste trabalho.


· Depois do Oráculo aberto, os mestres poderão sair por alguns instantes, em casos de necessidade.


· No decorrer do trabalho, só poderão entrar no máximo 10 (dez) pacientes e, para isso, se torna necessário ninfas Franciscanas ou Dharman Oxinto, que deverão conduzi-los até a presença do Pai Seta Branca. Defronte ao Pai fazem uma reverência sendo em seguida conduzidos para fora do Oráculo. Sob a guarda das ninfas Franciscanas, os pacientes aguardarão as ninfas Dharman Oxinto para servi-los do vinho e em seguida liberá-los.


· A Consagração de Talismãs poderá ser feita pela Ninfa Sol Yuricy. Em jan/2007, em reunião geral, o Trino Ypuarã determinou que qualquer objeto doutrinário poderá ser consagrado no Oráculo pela Yuricy.