22 de jan de 2012

MÃE IARA



Mãe Yara é um grandioso espírito de Luz que teve importância fundamental desde as primeiras manifestações mediúnicas de Mamãe, e é a responsável pelo desenvolvimento dos Doutrinadores. Inicialmente, usava uma roupagem de uma encarnação milenar, na qual havia ficado paralítica. Apresentava-se em uma cadeira de rodas, como uma senhora de porte elegante, muito digna, que logo de início cativou Mamãe, inspirando a confiança, de que tanto necessitava, naqueles primeiros anos de compreensão dos fenômenos mediúnicos, que a levariam à descoberta de sua missão. Em seu conflito, Mamãe – que ainda não aceitava a vidência – passou a interessar-se pela linda senhora, a quem carinhosamente chamava de “Senhora do Espaço”. Estabelecido interesse, Mãe Yara passou a narrar uma das suas encarnações, com o nome de Adelina, passando grandes lições, que muito vieram contribuir em seu desenvolvimento mediúnico. Mais tarde, revelou que era alma gêmea do grande Cacique Tupinambá (Pai Seta Branca) e hoje, sem dúvidas, podemos considerá-la a “Madrinha do Doutrinador”.




A Elipse tem a função captadora e distribuidora de energias, simboliza também a evolução do Cristianismo de sua fase de martírio (fase cármica) para sua fase científica. Existem sete Elipses no Vale do Amanhecer distribuídas da seguinte forma: uma na Estrela de Neru, uma na Mesa Evangélica, uma na Estrela Candente, uma no alto do Morro da Estrela Candente, duas nas entradas da Pira e outra por trás do Caminheiro. Percebe-se que as elipses não se apresentam iguais quanto aos símbolos presentes em seu interior. Na elipse da Estrela de Neru, existe a estrela de seis pontas, mais conhecida como a Estrela de Davi, a figura do espírito na sua condição de encarnado, as representações do plexo, micro-plexo e macro-plexo, circundado pelo nosso sol interior (ectolítero) e logo abaixo a figura do Jaguar.

RETRATO DE JESUS