28 de mar de 2012

O SACERDOCIO DO JAGUAR

 O SACERDÓCIO DO JAGUAR
MEU FILHO JAGUAR, 
SALVE DEUS ! Sabemos que cada época tem sua missão própria no caminho da evolução, com determinadas finalidades a atingir.
Sabemos, também, filho, que nos custam caro as criticas e na vida cotidiana este nosso estilo já é ultrapassado. Por outro lado, sofremos o dever que temos de estar à frente e atentos, porque novos conceitos e novos tempos de vida se avançam e nos atingem. E, às vezes, paramos para fazer uma reflexão. Não temos este direito. É o mal. . .
Sim, filho, a remontagem, agora, é forte e verdadeira, porque somos CABALISTAS de uma ESTRUTURA ESPARTANA. Temos um SACERDÓCIO EGÍPCIO, contido e purificado por MOISÉS, oculto sob o simbolismo da BÍBLIA VELADA E CONTIDA, atingindo o APOCALIPSE deste apóstolo.
Sofre o CABALISTA pelos companheiros supersticiosos e tudo que lhe pareça idolatria, porque formamos em Deus na figura humana, mas é uma figura puramente hieroglífica. Deus nas estradas, no céu, no mar, nas paredes de sua casa. Deus como um infinito, o amante vivo da natureza. E no coração do homem, como seria a Terra ?. . .
No entanto, filho, são poucos os homens jovens como vocês que se destinam a uma nova era. Quem poderá me ouvir ?
Nesta carta saliento que o rastro do homem, remontando em cada continente deste universo, mais longe do que a própria história, ida e vinda do Eterno.
No curso que fazemos na senda da reencarnação, devemos procurar a ciência e o amor.
Sim, filho, a água das fontes, dos lagos, dos rios, das chuvas e dos mares. A água, analisemos, água igual à água.
Sim, filho, a água das fontes tem sua energia. Dos lagos e dos rios são diferentes, como é diferente o sabor das bebidas sintéticas das frutas. Tudo é amor em diferentes sentimentos: O amor das crianças, o amor da mãe, o amor dos amantes e o amor incondicional.
O corpo físico não gera a vida ou força neste plano físico. Sim, porque das nascentes surge o PRANA. A presença Divina se manifesta, emitindo o PRANA por todo este Universo.


TUA MÃE EM CRISTO JESUS,


TIA NEIVA






VALE DO AMANHECER, 25 DE MARÇO DE 1984.DE 1984.

27 de mar de 2012

PAI JOAQUIM DAS CACHOEIRAS



PAI JOAQUIM DAS CACHOEIRAS

Salve Deus!
O ano era 1780, os cafezais, a cana de açúcar e o cacau eram sinônimos de riqueza no sul da Bahia. 
A feira de São Joaquim em Salvador era o ponto de troca e venda de todo tipo de mercadoria , ali além dos gêneros alimentícios , escravos trazidos nos Navios Negreiros eram expostos como qualquer outra mercadoria.
Germano Gonçalves Lêdo, proprietário da fazenda Barro Fundo, juntamente com sua jovem esposa estava a procura de mão obra para começar a colheita de cana açúcar e a secagem do café que já havia sido colhido . Desce da carruagem preta e juntamente com Maria Dolores começam a examinar os escravos que ali haviam chegado , vindo de Angola na Africa.
Depois de muito observar com alguns contos de réis levam um casal de escravos para sua fazenda. Um deles era um guerreiro que fora retirado e amarrado no porão do navio juntamente com tantos outros que foram levados ao Brasil. Também viera junto uma negra que seria a ama da filha de Dolores.
O Negro fora batizado a força e dado lhe o nome de Joaquim dos Santos. A negra recebera o nome de Isabel. 
Como a fazenda era muito grande havia dois capatazes de confiança de Germano. Antônio de Pádua, homem sisudo , convicto de sua obrigação e dava sua vida por seu patrão e Emanuel Assunção, um pouco mais jovem, porem com o mesmo sentido de responsabilidade.
Tão logo a filha de Germano nascera, Dolores entregou a filha a Isabel, que já tinha engravidado de um negro na senzala e ficara com a incumbência não só de cuidar de Ana Dolores, como também de ser sua ama de leite.
O tempo passou e Joaquim dos Santos já estava com quase setenta anos e Isabel além de cuidar dos filhos do coronel Germano era cozinheira da Casa Grande.
Aos capatazes ficava a responsabilidade de vigiar todas as ações dos negros na Fazenda , desde a colheita a seus rituais que de certa forma eram permitidos pelo Coronel.
A lua no céu prateada iluminava aquele Vale e a noite em seu manto escuro era cortada pelo som triste dos atabaques que rompia o véu do tempo propiciando o reencontro dos negros com seus ancestrais. Vez por outra Ana Dolores com uma maneira que não podia explicar se pegava na senzala assistindo aqueles negros dançarem ao ritmo daquele som envolvente. Muitas vezes acaba dormindo no colo de sua ama de leite a qual chamava carinhosamente de Mimica. E a Sinhazinha sempre pedia que sua ama de leite fizesse para ela quindim de queijo, e para deixa-la sempre feliz a negra velha sempre atendia os mimos de Ana Dolores.
Neste caldeirão cármico Emanuel o capataz mais jovem sentia uma paixão imensa pela Sinhazinha, mas não podia se declarar, pois o Coronel desejava que sua filha casasse com Doutor da cidade. 
Adiantando um pouco nessa história Joaquim dos Santos que era chamado de Quinzinho já velho e não conseguindo trabalhar na lavoura, foi lhe- dado a incumbência de buscar lenha para alimentar o imenso fogão da Casa grande, e não muito raro quando trazia algumas lenhas verdes era punido com algumas chibatadas. Mas o capataz mais velho, Antônio de Pádua, foi curado certa feita por Quinzinho e por isso afeiçoou se a ele profundamente. E o tempo foi passando quando o Coronel Germano determinou que o velho escravo Quinzinho fosse vendido em Salvador, pois não mais servia para casa, pois sua idade avançada não lhe dava condições de atender as demandas da Casa Grande.
Antônio de Pádua dirige-se a seu Patrão e acaba comprando o velho escravo, levando a viver em sua casa.
Emanuel não conseguindo o intento da união com a Sinhazinha, passa toda a sua vida em profunda tristeza.
Um dia Antônio acorda de madrugada e ouve os gemidos de Quinzinho e ouve as seguintes palavras:
Sinhôzinho Antoin, esse vèio não vai dar lhe mais trabaio, mas quero que vós-suncê fique sabendo que um dia voltaremos a nos encontrar...
Com o desencarne de Quinzinho fecha-se mais um ciclo existencial no processo encarnatório de um grupo de jaguares.
1985 , arredores de Planaltina DF, vale do Amanhecer. Depois de tentar encontrar respostas em vários lugares um senhor de mais ou menos 25 a 26 anos de idade chega a doutrina. Vinha com o intuito de testar a incorporação de uma antiga amiga. Mas antes passa com Pai Jacó nos tronos vermelhos. 
Pai Jacó ao receber aquele Senhor dirige-se ao doutrinador e lhe diz:
“Meu filho, hoje vou ganhar mais uma luz, por ter encontrado esse meu filho que agora está a minha frente”
Duas semanas depois não só o Senhor mas também sua esposa estavam desenvolvendo .
Ele médium de incorporação sente imensa dificuldade para conseguir desenvolver sua mediunidade. Naquela época havia o grupo seis que era composto por vários Doutrinadores que tinha muita ligação com Tia Neiva. Um desses instrutores chama o jovem Senhor que estava tendo dificuldades de incorporar e conversam muito tempo. Alguns dias depois já definido sua caminhada como Apará tem como Guia Pai Joaquim das Cachoeiras. 
No castelo do Apará Pai Joaquim das cachoeiras manda chamar o instrutor que havia conversado com aquele aparelho e lhe diz:
Meu filhos hoje quero lhe revelar uma coisa e lhe fazer um agradecimento!
_Salve Deus meu Pai, estou aqui a vosso dispor! Responde o instrutor:
Meu filho quero lhe agradecer por duas situações distintas e diferentes em que você esteve presente a este Preto velho!
Há muito tempo, desencarnei em seus braços e aqui neste local renasci por tuas mãos!
Quando o casal foi fazer sua elevação de espadas o mesmo Instrutor convidou os dois para serem seus padrinhos. Ele (Ajanã) padrinho e ela (Ninfa Sol) Madrinha. Depois de algum tempo aceitaram .
O Instrutor marcou com os dois para que fossem diante de Tia Neiva para reafirmar aquele compromisso. E assim aconteceu!
Tia Neiva disse ao instrutor: É meu filho agora não poderás dizer como Ditinho que não tem padrinho!
E também: Meu filho! Seu Padrinho ainda vai contar a você a história dele!
Meu filho. Você não sabe quem é esse Mestre! Só mesmo o Pai Seta poderá dizer!
Um dia em um trabalho em que estavam os três reunidos, Padrinho, Madrinha e o Afilhado, Pai Joaquim das cachoeiras contou essa história acima...

Observações: Existe uma falange imensa de Pai Joaquim das cachoeiras , cada Preto Velho assume uma roupagem de um de sua várias encarnações, mas como suas palavras certa vez perguntado quem ele seria, respondeu:
Sou o Pai Joaquim das Cachoeiras, mais um pouco do Aparelho!
Uma das grandes características de Pai Joaquim das cachoeiras e seu grande amor e sua capacidade de levar aqueles vão até ele uma paz imensa, onde suas palavras consegue desarmar corações endurecidos como um verdadeiro emissário do Cristo Jesus!

Gilmar
Ad Adelano

26 de mar de 2012

A Adúltera



A Adúltera
Salve Deus!
O dia começava a clarear na Terra e a Clarividente apressava sua volta ao corpo, após longo tempo de permanência nos planos invisíveis. Fizera mil coisas, estivera em muitos lugares e recebera valiosas lições. Em seu coração e sua mente pulsavam as inúmeras preocupações relacionadas com sua missão na Terra. No momento pensava no retorno ao corpo que dormia a tempo de retornar as tarefas do dia a dia.

Habituada as caminhadas fora do corpo, mal percebia as fantásticas nuanças de tempo e espaço; às vezes andava, outras levitava e se transportava em frações de segundo. Tempo e espaço. Entidades de luz, espíritos sofredores, tantos enredos; às vezes sentindo-se tão grande e às vezes pequena...

Pensou que estava na Terra, mas estranhou o ambiente. As árvores eram simétricas, as ruas e casas pareciam feitas de plástico e o ambiente variado. Pessoas se movimentavam, mas tudo parecia irreal, nas cores, na iluminação e nos movimentos. Percebeu então que não era notada e sentiu certo alívio. Sua mente ágil já se reajustava à nova situação, concentrou-se por um breve instante e logo sentiu a emanação de Amanto cuja presença a colocou de imediato em estado receptivo. Amanto era o velho amigo de Capela, o Guia de tantas viagens, um dos Mestres mais constante a mante-la atualizada em sua luta doutrinaria. Despertou sua atenção uma longa fila de pessoas que se movia lentamente e cuja frente se perdia na distancia. Ia interrogar Amanto a respeito quando ouviu gritos de uma mulher que clamava algo em vós alta. Pelas palavras proferidas, Tia Neiva entendeu que ela se referia ao marido e que este estava para chegar. Chegar onde?

Ao Canal Vermelho, Neiva.

Canal Vermelho?.

Sim Neiva, na sua camada etérea, no invisível do planeta; no mundo dos espíritos desencarnados que ainda não tem condições de chegarem às estrelas ou ao planeta Mãe.

E essa fila, para onde vai ?

Vai para o embarque. São espíritos que não precisam mais permanecer aqui, que já se conscientizaram de sua condição de espíritos desencarnados; completaram seus reajustes, e vão agora para as casas de recuperação, de refazimento.

Mas estes espíritos não tem evolução ?

Não muita. Na verdade eles vêm aqui apenas para completar o seu tempo e receber alguma disciplina.

É lindo este lugar (exclamou Tia), olhe que casas bonitas ! E aquelas árvores ? Aquilo que estou vendo pendurado nelas; o que é aquilo ?

São placas doutrinárias, uma espécie de sinalização. Poderíamos talvez compara-las com aquelas advertências de transito das estradas da Terra, embora não sejam realmente isso.

A Clarividente teve sua atenção novamente despertada pelos gritos da mulher que recrudescia. Pelo que pode deduzir das palavras, ela maldizia a Deus por permitir que o marido viesse para o Canal Vermelho, envez de ser enviado ao “inferno”.

Mas Amanto, que coisa esquisita ! Como é possível isso ?

Si Neiva, isso é perfeitamente possível aqui, pois é o melhor lugar para esses acontecimento, aliás ele foi criado para isso.Não esqueça que o espírito só se calma quando se vinga. Essa mulher foi assassinada pelo marido que a pegou em flagrante com outro homem. Como você bem sabe, isso na Terra é um ultraje, uma ofensa grave. Naturalmente ela se sentia justificada no que fazia.E a morte brusca a deixou sedenta de vingança. Daí a sua presença aqui no Canal Vermelho, onde as paixões ainda vibram mas tendem a se extinguir.

Mas porque aqui e não em outra casa transitória, num hospital do espaço ? Não é para isso que foram feitas as casas transitórias ?

Aqui também é uma casa transitória Neiva, só que tem condições técnicas especiais. Este Canal tem comunicação direta com o plano físico, o que permite a transferência do ectoplasma humano, diretamente por seus portadores. Com esse fluído os reajustes podem se completar em condições muito semelhantes aos da Terra física.

Você disse “diretamente”, como explica isso ?

Simples Neiva, os Médiuns ativos quando vão dormir, se transportam para cá e trazem com eles a preciosa energia mediúnica. Na verdade eles vêm para o Canal quando na Terra é noite e continuam aqui as tarefas que iniciaram durante o dia.

Bem Amanto, você sabe que eu posso entender perfeitamente, mas isso tem que ser explicado para nossos Médiuns e eu gostaria de mais detalhes, você sabe não? Afinal você é o professor e eu sou o “burro”.

Não Neiva, você não é o “burrão” como você diz, acho que você é mais um “burrinho” de Francisco de Assis.Mas deixemos isso de lado e vamos exemplificar (continuou Amanto).

O tempo do presente ciclo da terra está quase terminando e com isso todas as atividades estão sendo aceleradas. Milhões de espíritos ainda tem que completar seus reajustes e a tarefa dos Mentores Espirituais é imensa. Não existem na terra trabalhos de passagem o suficiente para dar conta de tanto espírito; a doutrinação é incompleta, o ectoplasma não da e o tempo dos trabalhos é curto demais. Por isso os Engenheiros Siderais construíram canais como esse, particularmente, este Canal se comunica diretamente com o Templo do Amanhecer, Quando o Doutrinador faz uma entrega e o espírito ainda não está pronto para Mayante, ele vem diretamente para um dos departamentos do canal. Na primeira oportunidade, que pode ser na mesma noite ou algum tempo depois, o Doutrinador vem completar sua Doutrina. Ele como encarnado tem a capacidade de trazer consigo seu ectoplasma. Devido à semelhança de ambiente, o espírito ainda se sente na Terra e é mais susceptível de receber a doutrina. É por isso que o Templo do Amanhecer trabalha 24 horas por dia, como vocês dizem.

Quer dizer que o Canal é uma extensão da terra ?

Num certo sentido sim, embora tudo aqui seja matéria etérea de outra natureza, outra dimensão. Mas da forma que na Terra física, as energias que suprem o Canal são oriundas do Sol e da Lua.

Amanto calou e Tia percebeu nisso um sinal de que era hora de voltar para o seu corpo. Olhou mais uma vez o cenário e sentiu-se tocada pela beleza do lugar. Mas uma vez ouviu a mulher que continuava a gritar e pensou consigo:

Meu Deus, não é justo que um assassino seja colocado num lugar tão bonito, num ambiente tão espiritual...

Naturalmente a mulher tinha consciência do lugar em que se encontrava, e também achava injusto que seu próprio algoz fosse levado para lá. Imediatamente lembrou-se da “Lei do Não Julgamento”, reequilibrou o pensamento procurando olhar o assunto por outro ângulo. A mulher também havia provocado àquela situação, esquecendo-se de seus compromissos conjugais, provocando o marido a esse extremo.

É (pensou), no fundo os dois são culpados.

Será que Tia já acordou ?

A frase cotidiana de suas manhãs lembrou-a que já estava em casa.

Salve Deus !
s/d.

MESTRE EDELVES,ADJUNTO YURICY

 

NINFA SOL EDELVES, O ADJUNTO YURICY

• “O Adjunto Yuricy Koatay 108, Mestre Edelves, é, na contagem hierárquica, igual e se posiciona junto aos outros Adjuntos Koatay 108 Arcanos Rama 2.000, nos seus direitos e deveres, pois fizeram o mesmo juramento e têm a mesma lei. 
A Ninfa Adjuração Mestre Edelves representa o Ministro Yuricy - a força do amor e a ternura. É um Adjunto Maior, que pode e deve agir por si, na individualidade, de acordo com a Lei do Adjunto Koatay 108 Arcanos Rama 2.000. 
É uma mestre ligada aos grandes desenvolvimentos! 
Ela não depende da Falange das Yuricys. Estas, sim, é que dependem e devem estar harmonizadas com seu Adjunto Yuricy. 
Mestre Edelves não terá Sétimos Raios. Ela é um Adjunto Maior e concentra em si todo o potencial de forças, energias e heranças transcendentais de um Adjunto de povo. Ela é o Adjunto e tem todo um acervo de conhecimentos, de conduta e amor. 
Terá suas Regentes, que deverão estar sempre em sintonia com seu Adjunto. Na ausência de Mestre Edelves, elas representam o Adjunto e, assim, todos os rituais e Sandays serão sempre realizados com precisão e em perfeita ordem e lei. 
O mesmo acontece com as Ninfas Adjuração Missionárias Yuricys, que serão designadas pelo próprio Adjunto Yuricy, isto no que se refere a rituais e Sandays. 
As Ninfas Luas Missionárias Yuricys têm por missão especial representar Koatay 108 nos rituais e podem participar das cortes. 
Os Príncipes Mayas têm os seus Adjuntos de origem, mas são missionários de Adjunto Yuricy e têm o dever de estarem harmonizados com o Adjunto Yuricy e seguirem suas escalas de trabalho.
Mestre Edelves tem potencial de energia e forças doutrinárias e, com seu amor, tem todo um acervo de dedicação e a capacidade para coordenar e comandar as Falanges Missionárias Yuricys, que lhe foram confiadas por Pai Seta Branca. 
Além das obrigações e deveres de uma Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000, contidos na Lei, o Adjunto Yuricy tem as seguintes atribuições: 
• grandes desenvolvimentos; 
• designar mediunidades; 
• responsável pelo Oráculo de Simiromba (deve estar presente nos rituais do Oráculo ou colocar uma sua representante, verificar se tudo está em ordem, estar atenta para que haja a manutenção do ritual nos dias e horários prescritos pela Lei e deixar que o comandante realize o trabalho naturalmente, dando-lhe, se for solicitada, as informações sobre o ritual); 
• estar presente ou estar representada em todos os rituais e Sandays que exigirem Yuricys; 
• fazer a cultura das ninfas missionárias para serem Jandas, que serão preparadas para todos os rituais e evocações. 
Por enquanto, estou designando as Ninfas Yuricys Julia Dorneles e Rosa para serem Jandas. 
Lembremo-nos sempre que estamos a remover séculos em busca das Raízes que deixamos e abraçamos o que deixaram os nossos antepassados nos altos planos dos céus: eis a única forma de favorecermos a paz em nossos corações. 
Todos juntos, formamos uma grande força - formamos um Continente! Todos com suas atribuições e deveres, assumimos, por amor, esta singular missão, e é impregnado do mais puro amor incondicional que cada um deve respeitar a individualidade dos outros, uma vez que Lei é Lei, e ela existe para todos. 
Somos Jaguares do Terceiro Milênio, meus filhos, e o que transmito a vocês eu recebo de Deus, do Pai Seta Branca, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. 
O Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000 tem maiores poderes e de seu plexo saem focos luminosos de luz curadora e desobsessiva. Dependendo de sua mente, de sua sintonia, de sua conduta e do amor, humildade e tolerância, poderá emitir sua Força-Luz por todo este Universo, em Cristo Jesus. Realizará curas e dará paz aos desesperados apenas à sua passagem! 
Somente o amor e a humildade tornam o Homem iluminado! Este é o verdadeiro Mago do Evangelho, este é o meu verdadeiro filho! Este é o meu Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000! 
Filha querida, Mestre Edelves, cumpra com amor o teu sacerdócio, a tua missão, em Cristo Jesus! 
Filha querida, Mestre Edelves, minha intenção era a de fazer uma cartinha, mas eu precisava lhe dizer que eu fiz o Doutrinador. Tantos anos de amor, de dedicação exclusiva e de trabalho constante para ter formado e poder contemplar, com felicidade, o Continente... 
Sou muito feliz mesmo, e me sinto realizada quando vejo tudo o que tenho e que tudo dei a vocês, com todo o meu amor. 
Mestre Edelves, eu queria lhe dizer que nosso Pai Seta Branca nunca gostou nem quis que eu doutrinasse ou comandasse. 
E você, filha querida, não pode imaginar o que sinto quando te vejo realizando tudo isso em favor e pelo amor de nosso Pai Seta Branca, em Cristo Jesus! 
Minha ninfa doutrinadora e, mais, Adjunto Koatay 108, Herdeiro Triada Harpásios, 7º Raio Adjuração Arcanos Rama 2.000: eu quis lhe mostrar o quanto você me torna feliz e realizada. Sou sua Mãe Clarividente e a amo de modo especial.” 
(Tia Neiva, 8.10.85) 

25 de mar de 2012

O QUE É O APARÁ



 

O que é o Apará


Salve Deus!

Alma Livre Evoluída! É o Mestre Apará, que rompe o véu da ciência, dos preconceitos, que transporta o transcendente, perscruta a alma, descreve com clareza e precisão. Quanto mais simples, mais perfeito exemplo de amor do extra-sensorial; cientista se expande com fenômenos inexplicáveis dos surdos e mudos. É também a dor para os que desejam prova. É mais verdadeiro do que pensamos, pois o mundo é o seu cenário, onde desenrola os dramas da vida e da morte. Quando desejo explicar na minha Clarividência, surge um foco diferente; é fenômeno especial.


Cada Apará é um ator diferente, que exige o seu cenário de acordo com o seu padrão. Com o auxílio de minha Clarividência, vai além do impossível, o que não pode ser descoberto. Sua maravilha e distinção é que o Apará não dispõe de sua inteligência, vê-se tudo por natureza. Além esta impossível, muito menos descobrir, nem sequer pode ser pressentido pela inteligência, mesmo sendo a mais perspicaz, servida por microscópio. Perfeito, constituído, como é o Apará ate agora.


Salve Deus meu Filho Apará, fui até onde me era possível, onde a minha pobre analogia pôde chegar, prevendo outras buscas de evolução. Alma humana que não provem de seitas ou de escolas, somente Castro Alves nos recorda com a figura do majestoso Navio Negreiro, que entre mil versos diz:


Auriverde pendão de minha terra, que a brisa do Brasil beija e balança, estandarte que a luz do sol encerra, e as promessas divinas de esperança. Era um sonho dantesco... O tombadilho, que as luzernas avermelha o brilho, em sangue a se banhar. Tinir de ferros... estalar de açoite...Legiões de homens negros como a noite, horrendos a dançar...Um de raiva delira, outro enlouquece...Outro que de martírios embrutece, cantando, geme e ri!

Foi então que neste quadro dantesco de dor, apareceu a figura de Nossa Senhora da Conceição “Apará” compadecida chegava sutil e falava naquela era sofrida àqueles que por Deus ali estavam, sem carinho, sem esperança e sem amor. Apará, Apará; era como a chamavam. Ela se manifestava entre eles dando forças, soprando suas feridas; Apará! Hoje és na tradição deste exemplo, deste amor. Apará, Meu Filho Apará! Não esqueças, que outrora, na dor, Nossa Senhora Apará dos poderes infinitos, nunca ensinou a ira, muito menos a vingança ou riqueza, e sim a Humildade, a Tolerância e o Amor. É tudo, filho querido do meu coração, que na tua graça singular é na história que ficou. Os teus poderes é tudo que disse este pouco que pude dizer.


Com carinho a tua Mãe em Cristo. Tia Neiva.


Vale do Amanhecer, 23 / Jan./ 79.


 

22 de mar de 2012

AS SETE LAGRIMAS DE UM PRETO VELHO




AS SETE LAGRIMAS DE UM PRETO VELHO

"As Sete Lágrimas de um Preto Velho"


Num cantinho de um templo, sentado num banquinho, um triste preto velho chorava.
De seus olhos molhados, esquisitas lágrimas desciam-lhe pelas faces.
Não sei porque contei-as...Foram sete.
Na incontida vontade de saber, aproximei-me e o interroguei:
- Fala meu Preto Velho, diz ao teu filho porque que externas assim uma visível dor? E ele, suavemente responde :
- Estás vendo esta multidão que entra e sai? As lagrimas contadas estão distribuídas a cada uma delas.
- A primeira, eu dei a estes indiferentes que aqui vem em busca de distração, para saírem ironizando aquilo que suas mentes ofuscadas não podem conceber...
- A segunda , a esses eternos duvidosos que acreditam desacreditando, na expectativa de um milagre que os façam alcançar aquilo que seus próprios merecimento negam.
- A terceira, distribui aos maus, aqueles que somente procuram a vingança.desejando prejudicar aos seus semelhantes.
- A quarta, aos frios e calculistas que sabem que existe uma força espiritual, e procuram beneficiar-se dela de qualquer forma, e não conhecem a palavra gratidão.
- A quinta, aos que chegam suavemente, com risos, o elogio na flor dos lábios, mas se olharem bem o seu semblante , verão escrito: “ Creio na doutrina, nos teus caboclos e no teu mentos, mas somente se vencerem meu caso ou me curarem disso ou daquilo”.
- A sexta, eu dei aos fúteis que vão de templo em templo, não acreditam em nada, buscam aconchegos e conchavos e seus olhos revelam um interesse diferente.
- A sétima, filho nota como foi grande e como deslizou pesada: Foi a última lagrima, aquela que vive nos “olhos” de todos Pretos Velhos, Fiz a doação dessa aos médiuns vaidosos, que só aparecem em dia de festa e faltam aos dias de trabalho, Esquecem, que existe tantos irmãos precisando de caridade e tantas criancinhas precisando de amparo material e espiritual.
Assim, filho meu, foi para esses todos, que viste cair, uma a uma as sete lágrimas de um preto Velho!

Pérolas de Pai João de Enoque





Perolas de Pai João de Enoque


O Doutrinador aplicou a Chave de Identificação e ao saber que estava diante de Paio Joao de Enoque, desatou a falar. Saudou efusivamente nosso executivo e passou imediatamente a relatar os problemas de sua vida. Contou suas dificuldades no trabalho, as incompreensões do lar e por último passou a reclamar da Doutrina, falando das divisões, das fofocas e das possíveis injustiças, onde ele mesmo afirmava já ter sido vitimado.
Quando parou um pouco para tomar ar, Pai João aproveitou para falar:
- Meu filho Doutrinador, Salve Deus! Eu posso lhe entender e lhe escutar com clareza tudo que você disse, e tenha certeza, seus Mentores estarão sempre velando por você, para que nunca receba uma injustiça ou pague além do que você deve. Sua cruz é do tamanho que você deve e pode carregar. Nada será acrescentado além disso, e você ainda pode aliviar sua carga pela caridade aqui prestada.
Porém meu filho, sendo Doutrinador consciente, você sabe que tudo que você fala vem impregnado de energia, não é meu filho? Você pode avaliar toda a energia que emitiu desde que sentou aqui neste trono? Falou bastante, não foi? Será que as vibrações que emitiu foram positivas? Quando falou do seu chefe... como foi que chamou ele mesmo? – animal? – Nesta hora você não lembrou quanto serviço você matou, e quantas vezes este “animal” mesmo lhe permitiu vir aqui para “rezar” no horário de trabalho? Também não lembrou que os “incômodos” de sua casa há muito tempo não recebem a devida atenção. Como vai sua esposa? Não pergunto por sua Ninfa, pois ultimamente você só sai com ela como Ninfa. Seu único programa é vir ao Templo, há quanto tempo não saem juntos, não andam de mãos dadas e não se olham nos olhos? Há quanto tempo não param para falar dos filhos? Não para reclamar, isso vocês fazem muito, mas para ver como estão crescendo, como estão se formando. O Pequeno Pajé não é para formar seus filhos, é para fazer com que compreendam e quem sabe venham a compartilhar da mesma fé que fazem vocês serem exemplos para eles e para o mundo. Você tem sido exemplo? Há quanto tempo não brinca com eles? Lembra daquele brinquedo de montar do Natal? Não adianta apenas presentear, tem que participar. Reclamar do brinquedo jogado sem saber que não foi usado porque precisava de ajuda e carinho, chega a ser cruel, meu filho!
A Doutrina tem seus problemas sim, mas você tem como resolvê-los? Está em suas mãos? Se não lhe compete resolver os problemas, divisões e injustiças, não fique emitindo contra seus dirigentes. Você tem que rezar todos os dias por eles, pedindo entendimento e harmonia, para que se entendam. Se a maioria dos Jaguares não gerasse vibrações negativas com suas conversar e se passasse a rezar pelos seus dirigentes, sem condenar, sem julgar, tudo estaria perfeito e a harmonia e disciplina seriam características marcantes deste povo.
Meu filho, é hora de olhar com os olhos do espírito tudo ao seu redor! Sua vida já poderia estar equilibrada e feliz há muito tempo, você tem bônus para isso, mas não conduta para receber o auxílio.
Agora, meu filho, enxugue as lágrimas e vamos aproveitar que veio ao Templo e prestar a verdadeira caridade. Nos atendimentos de hoje você ouvirá tudo que precisa ouvir sem perguntar nada, assim poderia ser todas as vezes.
Pai Joao de Enoque – Atendimento em Fevereiro de 2012 

20 de mar de 2012

CONSCIENCIA DOUTRINARIA



CONSCIENCIA DOUTRINARIA

Salve Deus!

Nossa doutrina por ser relativamente jovem neste ciclo atual, não foi possível a Clarividente, por questões que desconhecemos, passar a nós outros todos os seus segredos , assim como, suas definições detalhadas.
Vivemos uma situação bastante complicada, diante de um acervo enorme, e que o mesmo está nas mãos de muitos, continua ainda velado, no que nos arremete ao passado, pois esta foi uma frase de Mestre Bálsamo, Regente Arakem.
Esta situação propicia a muitos, interpretações pessoais, as quais nem sempre levam em conta o pensamento doutrinário fiel de nossos Mentores e da Clarividente e, por ser uma doutrina essencialmente fundamentada no mediunismo, ela é aprendida e apreendida com o desenvolvimento dos chacras do médium, propiciando uma perfeita interação com o mundo assimétrico ou espiritual. É sabido que várias vezes , Tia Neiva corrigiu o então sociólogo Mario Sassi, nosso grande interprete de nossa doutrina em alguns assuntos os quais os valores humanos não eram relevantes.
Hoje somos milhares em todo o mundo, ultrapassamos a barreira de nosso território brasileiro e a doutrina já é conhecida em vários cantos do mundo.
Estamos , como estivemos no inicio da década de oitenta quando Tia Neiva se encontrava doente, mas todo o corpo mediúnico, esquecendo que mesmo a Clarividente tinha um plexo físico e sofria a ação cármica sobre o mesmo. Nossos veteranos estão pouco a pouco voltando ao mundo espiritual, e nós estamos deixando a memória de nossa doutrina esvair como o rio que na aridez do solo desaparece.
Princípios simples, básicos estão sendo deixados de lado. Situações procedimentos que nos distanciam desse mundo espiritual, Mestres valorosos , homens sérios que hoje poderiam estar ensinando a seus discípulos o que receberam da Clarividente sem se preocupar com posicionamentos hierárquicos que elas já possuem, mas por receio de perde-los , deixam a continuidade da doutrina comprometida.
Ao escrever nesse cantinho recebi inúmeras criticas, mas existe um fato inquestionável, inexorável que sempre levo em conta: “ Em todos os texto que aqui postei, não há tendências partidárias ou o pensamento de estabelecer lado ou posicionamento de mando físico, pois minha consciência doutrinária,o que aprendi e apreendi de Mestres como Tumuchy, Arakem, Sumanã,Ajarã , Mestre Balsamo, Adjunto Muyatã, enfim os Mestre que receberam da Clarividente e mesmo de alguma aulas que presenciei da Clarividente tornam minha consciência doutrinária livre, dando a me a liberdade de “PELO MENOS TENTAR”, ser o porta voz de um juramento feito em um castelo iniciático e uma Pira diante de Jesus!!!!
Salve Deus!

Gilmar Ad Adelano 

6 de mar de 2012

ORACULO DE SIMIROMBA








ORÁCULO DE SIMIROMBA


Oráculo é um tipo de Cabala presidido por um Espírito Superior, um ponto emissor de forças, projetadas por seus raios ou raízes, na medida da necessidade dos trabalhos e de acordo com a capacidade do médium que as vai manipular.


Os Oráculos são organizações de um mundo assimétrico, formas de vidas, onde muitas coisas acontecem: manipulações de forças da Natureza, destinos de pessoas, transferências de espíritos e muitos outros fatos. Na antiguidade, os assuntos levados aos deuses, para serem respondidos pelas pitonisas e sacerdotes, eram de várias naturezas, desde questões familiares, assuntos políticos, guerras e criação de colônias, até os de ordem sentimental dos grandes reis e políticos. Os que atravessaram os tempos com a fama que alcançaram foram o de Delfos, que, junto com os de Dídima e Claros, estavam sob as forças de Apolo; o de Zeus, em Dodona; o de Asclépios, em Epidauro; o de Trofônio, em Lebadéia; o de Ammon, na Líbia; e o da Fortuna Primigénia, em Prenestre, estes dois últimos fora da ação helênica.


São muitos os Oráculos nos Planos Espirituais, agindo por todo este Universo.


Sobre a Terra, três são os Oráculos que agem: o de Simiromba (ou Ariano), o de Olorum e o de Obatalá. Há, ainda, o Oráculo de Agamor (*), que manipula as energias emitidas por aqueles três Oráculos. A reunião desses três Oráculos forma o Reino Central. Cada raio de um Oráculo é um poder do qual dispõe o mestre ou a ninfa, segundo seu padrão vibratório, sua harmonia, seu desenvolvimento e conduta doutrinária.


Cada raio tem sua especialidade, e não existe maior ou melhor raio. Existe, apenas, a soma dessas forças, desses raios. Nunca se sabe de quantos raios dispõe um médium, pois isso vai depender de muitos fatores individuais, principalmente de suas consagrações, de sua evolução, de sua conduta doutrinária, de seu padrão vibratório.


Passando em cada consagração um médium acrescenta, se tiver merecimento, pelo menos um raio em sua bagagem.


No Templo, temos o Castelo do Oráculo, onde, de acordo com sua Lei específica, se realiza a incorporação de Pai Seta Branca. Ali se processa a energia plena, projetada pelo Oráculo de Simiromba, para ser manipulada em benefício dos trabalhos, dos médiuns e dos pacientes. Embora fique deserto fora das horas do trabalho, o Oráculo fica permanentemente energizado, razão pela qual, ao passar diante de seu portão, deve o mestre ou a ninfa parar, abrir o plexo e captar, por uns instantes, aquela força que Pai Seta Branca deixa à sua disposição.


Com a entrada em ação das forças da Estrela de Nerhu, passamos a ter a projeção do Oráculo de Agamor.


HORÁRIO


· Os dias de funcionamento deste ritual são: QUARTAS, SÁBADOS e DOMINGOS, podendo, excepcionalmente, ser aberto em um dia de Retiro.


· Oráculo será aberto a partir das 18h e, no mais tardar, até às 19h. Deverá ser encerrado até a meia-noite


· Se por ventura não foi possível a abertura do Oráculo dentro do horário estabelecido, o Comandante poderá abrir o portão, fazer a sua Emissão e ficar de honra e guarda (com o Portão aberto) até ser possível a abertura do Ritual.


FORMAÇÃO:


· Este trabalho só poderá ser realizado em Templos que disponham de Corrente Mestra.


· O comando do Oráculo será exercido por Mestres Adjuntos.


· A corte compor-se-á dos seguintes mestres:


2 Ninfas Samaritanas;


1 Ninfa Yuricy Sol;


2 Ninfas Muruaicys;


2 Ninfas Dharman Oxinto;


2 Ninfas Franciscanas;


1 Comandante e sua ninfa;


No mínimo 2 Mestres Ajanãs com suas ninfas;


Podendo participar outras ninfas que não pertençam a falanges missionárias.


· Obs.: O Mestre Comandante, as ninfas missionárias e os Mestres Ajanãs deverão ser escalados.


· As ninfas das falanges missionárias (com indumentárias) devem se posicionar na corte, na ordem comum aos demais rituais.


RITUAL:


· A corte sairá do Castelo do Silêncio, entrando na parte evangélica, passando pelo Aledá, depois pelo Pai Seta Branca, até a entrada do Oráculo.


· De frente ao Oráculo, as duas Ninfas Muruaicys abrem o portão. Uma permanece do lado de fora enquanto a outra caminha para o seu interior, posicionando-se à direita do Oráculo, e faz a sua emissão e depois o seguinte Canto:


· SALVE DEUS! EU MISSIONÁRIA MURUAICY, VENHO NESTA BENDITA HORA PEDIR A DEVIDA PERMISSÃO AO GRANDIOSO SIMIROMBA DE DEUS, O NOSSO PAI SETA BRANCA, PARA A ABERTURA DO ORÁCULO, SALVE DEUS!


· Obs.: Sempre, ao entrar e sair do Oráculo, deve-se emitir:


A MINHA MISSÃO É O MEU SACERDÓCIO. JESUS ESTÁ COMIGO.


· Logo após entram o Comandante e sua ninfa, as Ninfas Samaritanas, a Ninfa Yuricy e os Mestres Ajanãs, acompanhados de suas ninfas.


· Após estes mestres, entram as demais ninfas e mestres que estiverem compondo a corte.


· As Ninfas Muruaicys fecham e abrem o portão quando houver necessidade. Não havendo ninfas Muruaicys, o portão será controlado por uma Ninfa Sol.


· Assim que os mestres se encontrem dentro do Oráculo, as Samaritanas servem-se do vinho, e, em seguida, servem às Muruaicys (que devem subir acompanhadas do Mestre Comandante).


· Comandante faz a sua emissão, toma o vinho e retorna, juntamente com as ninfas, ao seu posto.


· Se houver mais algum Mestre Sol ou ninfas pertencentes a outras falanges missionárias, presentes na corte e que não irão participar do ritual (e que permanecerão no Oráculo), deverão, também, ser servidos do vinho.


· Em seguida uma Ninfa Sol Yuricy e uma Samaritana sobem a rampa e, voltando-se para o portão, fazem uma reverência e novamente frente à cabine, simultaneamente abrem o véu, observando se tudo está em ordem.


· Em seguida ficam novamente voltadas para o portão e emitem seus cantos, primeiro a Samaritana, em seguida a Ninfa Sol Yuricy.


· Terminados os cantos, a Samaritana serve o vinho à Yuricy pedindo à outra Samaritana, que conduza o Comandante e a Ninfa Sol até a sua presença para fazer a cultura da Ninfa Sol que acompanha o Mestre Ajanã.


· O Comandante sobe a rampa conduzido pela Samaritana, ao lado da Ninfa Sol e, de frente para a cabine, a Ninfa Sol toma seu vinho e faz sua emissão. Terminado, o Comandante e a Ninfa Sol descem.


· Em seguida a Ninfa Sol, juntamente com o Mestre Ajanã, sobe a rampa e a Samaritana serve o vinho ao Ajanã, que é encaminhado para o interior da cabine, enquanto o Comandante conduz a Ninfa Sol para o fundo da mesma e abre a porta para que ela entre e faça o convite da presença do Pai Seta Branca.


· Ao elevar a taça para tomar o vinho emite-se:


Ó, JESUS! ESTE É O TEU SANGUE, QUE JAMAIS DEIXARÁ DE CORRER EM TODO O MEU SER. NINGUÉM JAMAIS PODERÁ CONTAMINAR-SE POR MIM.


· Tempo de incorporação de cada Ajanã é de aproximadamente 30 minutos. Em casos excepcionais, poderá haver comunicação com a doutrinadora para proporcionar uma mensagem ou informar, se necessário, a desincorporação antes da hora marcada.


· Terminado o tempo de incorporação, o Comandante pede que a uma ninfa (exceto a Samaritana), que o acompanhe até a cabine e, de frente, ambos emitem:


A MINHA MISSÃO É O MEU SACERDÓCIO. JESUS ESTÁ COMIGO.


· Comandante se dirige ao Pai Seta Branca e em voz baixa diz:


MEU PAI, ESTÁ NA HORA DE DESINCORPORAR O APARELHO. O SENHOR ESTÁ DE ACORDO ?


· Desincorporado, o Mestre Ajanã se levanta, fazendo a seguinte prece:


Ó, JESUS! GRAÇAS A TI, JESUS QUERIDO,


ME FOI DADA ESTA FELIZ OPORTUNIDADE DE RECEBER, EM TODO O MEU SER, ESTA DIVINA LUZ


QUE FOI MEU PAI SETA BRANCA,O SIMIROMBA DE DEUS.


Ó, JESUS! ME FAZ INSTRUMENTO DE TUA PAZ!


QUE AS FORÇAS SE DESLOQUEM EM FAVOR E PARA QUE EU POSSA PARTIR SEM RECEIO


ILUMINA MEUS OLHOS. MINHA BOCA E MEUS OUVIDOS,


COM -0-0-X// EM TEU SANTO NOME, A TI JESUS QUERIDO!


SALVE DEUS!


· Em seguida o Comandante vai buscar a Ninfa Sol no fundo da cabine. Esta, ao receber o Mestre Ajanã, acompanha-o até a Ânfora, para que a Samaritana o sirva da água


ENCERRAMENTO:


· Recomenda-se ao Mestre Comandante que encerre o ritual antes da meia-noite.


· Comandante se dirige à frente da Cabine, e entre as Ninfas Samaritana e Yuricy, volta-se para o portão e faz o seguinte canto:


JESUS! ESTAMOS REUNIDOS EM TEU SANTO NOME BENDIZENDO


OS MOMENTOS FELIZES QUE AQUI TIVEMOS, NA LUMINOSA HARMONIA DO SIMIROMBA DE DEUS,


MEU PAI SETA BRANCA, NOS DANDO A MAIS PERFEITA LUZ.


JESUS! QUE TODO ESTE ACERVO DE ENERGIA, SEJA LEVADO AOS MUNDOS ENCANTADOS,


NA CURA DESOBSESSIVA DO CAVALEIRO DA LANÇA VERMELHA,


DA CURA DOS CEGOS, DOS MUDOS E DOS INCOMPREENDIDOS.


E, COM -0-0-X// EM TI JESUS QUERIDO, SALVE DEUS!


· Com a emissão do canto de encerramento pelo Comandante, todos os mestres retiram-se do Oráculo e o trabalho está encerrado.


PRISIONEIROS:


· Com exceção dos Ajanãs que irão incorporar o Pai Seta Branca, todos os demais poderão participar na roupagem de prisioneiros.


OBSERVAÇÕES:


· Para cada trabalho, serão escalados 2 Mestres Ajanãs que irão se revezando nas incorporações, contudo outros Ajanãs que se apresentem depois também poderão participar deste trabalho.


· Depois do Oráculo aberto, os mestres poderão sair por alguns instantes, em casos de necessidade.


· No decorrer do trabalho, só poderão entrar no máximo 10 (dez) pacientes e, para isso, se torna necessário ninfas Franciscanas ou Dharman Oxinto, que deverão conduzi-los até a presença do Pai Seta Branca. Defronte ao Pai fazem uma reverência sendo em seguida conduzidos para fora do Oráculo. Sob a guarda das ninfas Franciscanas, os pacientes aguardarão as ninfas Dharman Oxinto para servi-los do vinho e em seguida liberá-los.


· A Consagração de Talismãs poderá ser feita pela Ninfa Sol Yuricy. Em jan/2007, em reunião geral, o Trino Ypuarã determinou que qualquer objeto doutrinário poderá ser consagrado no Oráculo pela Yuricy.